Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

JAPÃO

Três portos suspendem serviços

Com a situação caótica provocada pelo terremoto que atingiu o Japão na última semana, três portos do país tiveram as suas atividades suspensas. Outros seis complexos portuários, no entanto, continuam suas operações, ainda que de maneira limitada.

Os portos de Sendai, Onaham e Hachinohe estão fechados porque seus terminais sofreram alguns danos provocados pelos tsunamis. De acordo com a porta-voz da Maersk Line nos Estados Unidos, Mary Ann Kotlarich, o armador não está aceitando agendamento nesses portos até que maiores informações possam ser obtidas.

Ainda segundo a representante, os complexos de Tóquio, Yokohama, Nagoya, Kobe, Osaka e Hakata estão abertos e operando, aceitando reservas de e para estes portos, mesmo apesar de eles terem fechado na última sexta, dia em que o terremoto aconteceu. E justamente por terem cessado operações naquele dia, as instalações têm apresentado congestionamento.

Conforme afirmado por Kotlarich, a Maersk tem 300 funcionários no Japão e todos eles escaparam da tragédia com vida. Os escritórios da transportadora não foram afetados pelo estrago provocado pelo terremoto e continuam abertos, apesar de os blackouts interromperem as atividades dos trabalhadores: "Nem todos os funcionários puderam voltar a trabalhar’’, disse ela.

Um dos navios de contêiner da Maersk tinha acabado de deixar a doca em um desses portos japoneses na última sexta-feira quando o terremoto aconteceu. Por isso a embarcação teve que enfrentar uma série de tsunamis, mas não foi avariada. O armador afirmou que, ao menos por enquanto, continuará operando em outros portos japoneses como de costume e que algumas mudanças de serviço devem ser feitas posteriormente.

 

FONTE: GUIA MARÍTIMO







Artigos relacionados:

  • A força indómita do tsunami
  • Portos japoneses podem passar meses desactivados
  • O poder avassalador do tsunami