Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

TERMINAIS EXPORTAM 7% DE TUDO O QUE O JAPÃO PRODUZ

Portos japoneses podem passar meses desactivados

O terramoto e os tsunamis que atingiram o Japão na última sexta-feira (11) causaram graves danos aos portos do país. Com uma economia baseada na exportação, portos fechados podem significar perdas elevadíssimas por dia para a economia japonesa, segundo a publicação do setor Lloyd’s Intelligence.

Cerca de 7% de tudo o que o Japão fabrica sai do país pelos portos. Grande parte dessa mercadoria não será exportada. Além das exportações, a estrutura portuária também é essencial para que o Japão receba ajuda externa, matérias primas e produtos que possam ajudar a reconstruir as áreas devastadas.

O tremor de 8,9 graus na escala Richter afetou principalmente portos que embarcavam contêineres para indústrias de produtos eletrônicos, como a Hitachi e a Daikin.

O analista da empresa Nomura Securities, de Tóquio, diz que o impacto do desastre foi maior do que o do terremoto de Kobe, que atingiu o Japão em 1995 e matou 6.000 pessoas.
- Após o terremoto de Kobe, a atividade no transporte de cargas levou três meses para voltar aos níveis pré-terremoto.

Os portos de Tóquio e de todas as regiões localizadas ao sul da capital estavam operando normalmente após o tremor.

Os portos de Hachinohe, Sendai, Ishinomaki e Onahama, que ficam no nordeste do país, devem passar meses ou até anos sem funcionar. Apesar destes serem portos considerados médios, especializados no transporte de contêineres, alguns também manipulavam combustíveis e alimentos.

Para o gerente de operação Tetsuya Hasegawa, a recuperação será demorada.
- Esses portos precisarão de muito tempo até que possam ser plenamente restaurados
Prejuízo
No ano passado, o comércio marítimo do Japão, terceira maior economia mundial, totalizou R$ 2,5 trilhões (US$ 1,5 trilhão). Os valores foram convertidos de dólar para real a partir do custo das duas moedas nesta segunda (US$ 1 equivalendo a R$ 1,66).

De acordo com a consultoria internacional Eqecat, citada pela rede de TV americana CNN, as perdas no país asiático podem chegar a R$ 166 bilhões (US$ 100 bilhões). Desse número, R$ 66,4 bilhões (US$ 40 bilhões) são de danos à infraestrutura japonesa, como rodovias, ferrovias e portos.
Os valores foram convertidos de dólar para real a partir do valor da moeda americana nesta segunda (US$ 1 valendo R$ 1,66). Em ienes, o prejuízo é estimado entre 14 trilhões e 15 trilhões. Esses números, no entanto, ainda são preliminares e podem aumentar daqui pra frente.

Prevendo o temor dos investidores internacionais, o Banco Central do Japão anunciou nesta segunda-feira (11) planos de injetar o valor recorde de R$ 303 bilhões (US$ 183 bilhões) no mercado. Outros R$ 101 bilhões (US$ 61 bilhões) serão usados como garantia para fundos de risco.

FONTE: R7

 







Artigos relacionados:

  • O poder avassalador do tsunami