Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PORTO DE LISBOA VAI RECEBER A MAIS IMPORTANTE REGATA DE CIRCUMNAVEGAÇÃO DO MUNDO

Nova marina vai custar 10 milhões

A Administração do Porto de Lisboa vai investir 10 milhões de euros na requalificação da zona da doca de Pedrouços. O objectivo é construir uma marina e reabilitar infraestrturas marítimas e terrestres a tempo de receber uma das mais importantes regatas do mundo.

O projecto de reconverter a desqualificada zona de Pedrouços foi acelerado pela confirmação da passagem por Portugal, em 2012, da Volvo Ocean Race, a mais importante regata de circumnavegação do mundo. 

Esta ideia foi reforçada pelo ministro das Obras Públicas, António Mendonça, que ontem afirmou que a regata foi “uma alavanca” e “um pretexto” para a reconversão da zona. Sublinhou, contudo, que a transformação daquela área “está para além da própria regata”.
António Mendonça salientou “o impacto económico significativo” da requalificação e disse ser necessário “alertar os agentes económicos para se prepararem” para a oportunidade. “Os investimentos programados têm a ver com obras imediatas de preparação do porto, mas seguramente que outros vão ter lugar, através da concessão e ligados à marina”, apontou, confiante que “haverá impactos económicos directos, indirectos e induzidos, que vão atrair muitos outros investimentos privados”.
As intervenções a efectuar pela Administração do Porto de Lisboa (APL) incluem demolições e obras de consolidação de infra-estruturas marítimas como a recuperação dos molhes e dos muros e a construção de uma estrutura de abrigo dentro da Doca. Haverá lugar ainda à remodelação das infra-estruturas gerais de abastecimento de água, esgotos e energia bem como a instalação de equipamento para o acolhimento de embarcações e tripulações. Em terra, prevê-se a demolição de construções com a excepção de quatro edifícios, que serão remodelados.
Segundo o vice-presidente da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, na futura marina “não se prevêem grandes edifícios” e serão “essencialmente espaços destinados a complementar a actividade náutica aproveitando sempre que possível edifícios já existentes”.
O também o vereador do Urbanismo referiu que “é um excelente negócio para a cidade de Lisboa” e garantiu que “a autarquia não tem investimento directo”, uma vez que “os encargos da APL são da demolição de alguns edifícios e depois todo o investimento será resultado da parceria que a APL vier a estabelecer com o futuro concessionário”.
Já o presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais, frisou que a requalificação da zona terá “um impacto turístico extraordinário”.
Regata é conhecida como “Dakar dos mares”
Segundo o empresário João Lagos, responsável pela passagem da competição em Portugal, a Volvo Ocean Race “é a maior, e por ventura, a regata mais dura” dos oceanos. “Até há quem lhe chame o Dakar dos mares”, sublinha.
“É uma regata de vida ou de morte e que se realiza ao longo de um ano inteiro de três em três anos”, explicou ainda. João Lagos fez questão de reforçar a ideia de que a realização de um evento de vela desta dimensão em Portugal não traz benefícios apenas para o desporto mas “sobretudo para esta zona da capital que há muitos anos ansiava por uma requalificação que fosse suficientemente aliciante para uma intervenção de fundo”. “Pela primeira vez, Portugal vai fazer parte de uma elite de portos que têm a honra de receber a prova”, rematou.