Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Economia do Mar: As oportunidades azuis que Portugal não pode deixar escapar

Em Portugal, a economia do mar assume-se de extrema relevância: corresponde a cerca de 5% do PIB, 5% das exportações e 4% do emprego nacionais. Estes valores estão entre os mais elevados nos Estados-membros da União Europeia (UE). A isto, soma-se o facto de ser verdadeiramente resiliente em tempos de crise: em 2008, os setores da economia do mar mantiveram-se robustos na geração de receita ena retenção de emprego. Contudo, importa equacionar as ameaças: desde as alterações climáticas e os seus efeitos até à atual crise pandémica, que desafios enfrenta a economia do mar?

Apesar da economia do mar ter crescido na última década, não houve um desenvolvimento tão forte em setores de inovação e produção. É a posição de Ricardo Serrão Santos, ministro do Mar, destacando que o crescimento se deveu ao “crescimento das atividades favorecidas pela proximidade do mar”, beneficiando do “dinamismo observado na atividade turística” a nível nacional. No entanto, “várias comunidades costeiras dependentes do mar estão social e culturalmente alicerçadas na pesca”, uma atividade que, nos últimos anos, “evoluiu pouco e carece de valorização”, refere. Recentemente, muitas comunidades costeiras usufruíram do crescimento do turismo para se desenvolverem: “Mas, como a pandemia de Covid-19 veio demonstrar, a economia baseada nesta atividade, até 2019 crescente e até pujante, é volúvel e de baixa resiliência”. E por isso a “diversificação de modelos e atividades económicas”, a “formação profissional” e a “facilitação da mobilidade entre profissões ligadas ao mar” afiguram-se como “instrumentos cruciais para a resiliência destas comunidades e para o desejável crescimento económico, sustentável e inclusivo”, defende.
 

para ler na íntegra aqui