Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Melhoria dos Acessos Ferroviários ao Porto de Setúbal

Secretário de Estado Hugo Santos Mendes preside à assinatura de acordo entre APSS e IP

O Secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Santos Mendes presidiu esta segunda-feira à cerimónia de assinatura pela APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra e pela IP – Infraestruturas de Portugal, do acordo de cooperação para a Empreitada de Melhoria dos Acessos Ferroviários “Linha do Sul - Modernização das infraestruturas e eliminação de constrangimentos na ligação ferroviária ao Porto de Setúbal e Praias – Sado”.

A iniciar a sessão, o Vogal do Conselho de Administração da APSS, SA, José Castel-Branco, deu as boas-vindas aos participantes realçando e agradecendo a parceria entre a APSS e a IP e reforçando a importância da concretização deste projeto no desenvolvimento do Porto de Setúbal.

Carlos Fernandes, Vice-Presidente da IP – Infraestruturas de Portugal, referiu a relação custo benefício do projeto, que irá dotar a rede ferroviária com infraestruturas para “composições de 750m, permitindo que comboios elétricos saiam da zona de carga do Porto de Setúbal para rede ferroviária nacional”, tendo destacado ainda o benefício para o Porto de Setúbal “em 50% do custo de transporte entre o porto e a fronteira espanhola, com redução do percurso em 150 quilómetros e menos uma 1,30 horas nessa ligação”.

O Vogal do Conselho de Administração da APSS, SA, Carlos Correia, detalhou alguns dos aspetos técnicos do projeto que abrange um conjunto de intervenções de melhoria operacional da ligação ferroviária aos terminais portuários e que tem como objetivos a eletrificação das linhas até ao interior dos terminais e maximizar a operacionalidade das infraestruturas.

Carlos Correia, afirmou ainda que “a concretização deste projeto irá permitir também o aumento da capacidade de receção/expedição e do tamanho dos comboios de e para o porto”, com redução dos custos de operação, redução de manobras e reforço da segurança da circulação ferroviária.

Um projeto que permitirá dar continuidade à estratégia de modernização do Porto de Setúbal, cujos principais investimentos consistiram na Melhoria das Acessibilidades Marítimas e na implementação da JUL – Janela Única Logística consolidando e alargando o hinterland do Porto de Setúbal a Espanha tirando partido da Melhoria do Corredor Sul Ferroviário na ligação à fronteira de Elvas/Badajoz, e aumentando a sustentabilidade ambiental e a intermodalidade do porto.

O Secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Santos Mendes, encerrou a sessão reforçando a importância do projeto para o Porto de Setúbal, antedendo a que este é já um porto onde “27% das mercadorias para embarque entraram no porto por ferrovia em contraponto com os 7% a nível nacional.”

Hugo Santos Mendes destacou ainda que “a concretização deste projeto contribuirá grandemente para o desenvolvimento do Porto de Setúbal reforçando a sua vocação como porto exportador, uma vez que cerca de 60% da mercadoria movimentada última década foi já de exportação.”