Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Comércio global de mercadorias mostrou «resistência inesperada» à pandemia em 2020

De acordo com o último Economic Outlook divulgado pela Crédito y Caución, o comércio mundial está a revelar uma «resistência inesperada aos efeitos da Covid-19». As diferentes projecções internacionais antecipavam quedas entre 15-30% em 2020, projectando o comportamento das trocas globais de mercadorias durante a crise de 2008, quando a queda multiplicou por dois ou três a evolução do PIB. No entanto, de acordo com as estimativas do relatório, a contracção de 2020 será limitada a 7-8%, seguida de uma recuperação semelhante em 2021.

China teve recuperação intensa; produção industrial menos afectada pela Covid

O relatório aponta várias causas para esta resistência no comércio de mercadorias. Em primeiro lugar, a China recuperou de forma mais intensa e rápida do que o esperado através de estímulos à oferta, que encaixaram com os estímulos ao consumo noutras regiões do mundo. «Essa imagem da procura norte-americana a ser satisfeita pela oferta chinesa explica o aumento do comércio entre a China e os Estados Unidos, apesar das tarifas», explica o relatório. Um segundo factor relevante é o impacto das medidas de distanciamento social, mais severas nos serviços do que na produção industrial. Isso implica que a variação do PIB fornece menos orientação sobre a evolução do comércio de bens, dependente das manufacturas.

Estímulos fiscais estimularam o comércio

Em terceiro lugar, as restrições ao comércio de produtos médicos e medicamentos diminuíram desde o início da pandemia. Finalmente, ao contrário da crise de 2008, os bancos centrais aplicaram uma política monetária muito relaxada e estímulos fiscais que beneficiaram o comércio.

A ligação entre o comércio e a previsão de recuperação de crescimento do PIB para 2021 e 2022 também será fraca, uma vez que os serviços crescerão mais fortemente do que a produção industrial. No entanto, a recuperação como tal ajudará o comércio mundial, assim como outros factores, como uma política comercial dos EUA previsivelmente menos proteccionista.

«A incerteza comercial sobre novas tarifas ou mesmo guerras comerciais, por exemplo com a União Europeia, vai desaparecer», explica o relatório. Algumas tarifas podem até ser reduzidas. Além disso, o acordo comercial entre a União Europeia e o Reino Unido elimina incertezas sobre o futuro do comércio mundial.

fonte