Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Porto de Aveiro e Neptune anunciam acordo de concessão do espaço Ex-Ria Marine

A Administração do Porto de Aveiro e a empresa Neptune celebraram um contrato de concessão do espaço do antigo estaleiro naval da Ria Marine, com uma duração de 20 anos.

Esta concessão assume especial relevância para o Porto de Aveiro, materializando a sua estratégia de valorização dos territórios portuários aliada à revitalização das atividades do setor da reparação e construção naval, em particular as relacionadas com a Náutica de Recreio, contribuindo ativamente para o desenvolvimento da economia azul de base local.

Para a Neptune, este espaço que se encontra em processo de remodelação vai permitir a prestação de serviços vocacionados para a construção de novas embarcações de recreio, bem como a recuperação e reconstrução de diversos tipos de embarcações a motor e vela.

O espaço será ainda dotado de uma doca-seca equipada com meios ao nível dos melhores estaleiros internacionais, incluindo uma das maiores estufas de pintura de embarcações da Europa, assim como de um conjunto de serviços vocacionados para a melhoria da prática e experiência dos diversos tipos de nautas, sejam eles nacionais ou estrangeiros.

Prevê-se que o novo estaleiro esteja operacional na vertente de construção e remodelação em abril, e a doca seca no final de junho.

“Este é um projeto de âmbito nacional, inserido na Ria de Aveiro e integrado na área de jurisdição do Porto de Aveiro, pelas suas características únicas, tão diferenciadoras no mercado. Acredito, igualmente, que será um dos muitos projetos que possibilitarão recuperar um património histórico outrora existente em Aveiro, contribuindo para que os nautas nacionais e internacionais usufruam deste ecossistema lagunar único no panorama europeu, fomentando também o turismo regional” – afirma a Presidente Conselho de Administração do Porto de Aveiro, Fátima Lopes Alves, acrescentando:
“Complementarmente, reconhecemos o significativo contributo deste projeto na reabilitação de um sector produtivo de excelência, gerador de emprego especializado e capacitado para ir além-fronteiras. Prova disso, ainda recentemente, a Neptune viu reconhecido o seu primeiro modelo, produzido em Aveiro, sob a marca ROM como sendo dos melhores do mundo, nos dois principais galardões internacionais do setor.”

Já Jorge Martins, fundador da Neptune, realça o “forte empenho, visão e compromisso de toda a Administração do Porto de Aveiro, que apoiou incondicionalmente este projeto desde praticamente o seu início”.
Segundo o fundador da empresa, “a Administração do Porto de Aveiro deu um excelente exemplo de como sectores públicos e privados podem trabalhar em parceria, em harmonia, trabalhando em conjunto para reforçar o tecido económico deste sector, contribuindo para o seu crescimento em Portugal”.

“Este projeto corresponde a um investimento global de 3 milhões de euros e prevê a criação de cerca de 26 postos de trabalho, muitos com elevado grau de especialidade” – revela Jorge Martins, enfatizando a “forte ambição de marcar pela diferença um setor tradicionalmente muito fechado”, trazendo para o projeto o “maior número de empresas nacionais que seja possível”, demonstrando “que somos capazes de fazer e executar projetos inovadores e competir nos mercados internacionais a par com os melhores”.