Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PEDRO PABLO DIAZ, EMBAIXADOR DO CHILE EM PORTUGAL

500 anos da circum-navegação de Magalhães e Elcano

Neste 21 de outubro comemoraram-se os 500 anos de um dos acontecimentos mais significativos do mundo, na história do seu conhecimento geográfico, que é a primeira circum-navegação, levada a cabo por Fernão de Magalhães, também conhecido como Fernando, cujo feito mais importante foi a descoberta do estreito navegável natural - estreito de Todos-os-Santos - ao sul de Chile, que hoje tem o nome de estreito de Magalhães".

Para os chilenos a figura de Magalhães é muito importante, porque este notável marinheiro português foi quem pisou pela primeira vez o território do Chile. Porque me atrevo a dizer isto? Porque o Chile, tal como hoje o conhecemos, desenhou-se há 500 anos, no dia em que Fernão de Magalhães "descobriu" o estreito, localizado numa superfície de mais de 132 mil quilómetros quadrados, em que extensas planícies são o habitat de uma fauna indómita e onde habitaram povos de grande estatura e contextura robusta, os chamados "patagones" em alusão aos seus grandes pés, e que acendiam numerosas piras ou fogueiras ao largo da costa, situação que levou a que a expedição de Magalhães chamasse a esse território Terra do Fogo.

Com este panorama em mente, podemos imaginar como foi difícil a navegação pelo estreito de Magalhães. Com os seus cerca de 720 quilómetros de comprimento e uma multiplicidade de canais patagónicos, com ventos intensos, tempestades e chuvas torrenciais, transforma-se num labirinto marítimo que na sua maioria conduz a passagens bloqueadas.

Por isto, é importante, justo e essencial, reconhecer Fernão de Magalhães por esta façanha, que Sebastián Elcano completou com êxito, e que transformou o imaginário do nosso planeta numa visão de um planeta circular, global, mensurável e transitável, ou seja, globalizado.

Neste sentido, recordemos esta expedição e, ao mesmo tempo, perguntemo-nos: "Quais são os estreitos de Magalhães que ainda não sulcámos?" Sem dúvida, hoje, os estreitos que nos faltam continuar a navegar são os estreitos sociais, culturais, científicos e tecnológicos.

Para sulcar todos eles, nós chilenos sempre dispomos de um Roteiro, com planos e objetivos que olham para o futuro, mas a rota traçada pode trazer consigo problemas diferentes e uma multiplicidade de dificuldades, as que com segurança e o impulso da procura do "bem comum" nos permitirão sempre ter sucesso e cruzar todos esses estreitos.

Por isso, o Chile e Portugal, neste nexo histórico e fundamental que gera este feito, são o símbolo de que a união é possível, onde a lealdade e a solidariedade são as expressões mais elevadas do género humano e que a referida humanidade é algo que ainda se tem de humanizar, tal como o expôs a nossa prémio Nobel, Gabriela Mistral.

O Chile é um país acostumado a enfrentar múltiplos desafios, posto que nos tocou atravessar circunstâncias complexas e desafiantes, "estreitos" geradas pela natureza assim como pela história.

Somos um povo lutador e aguerrido, que olha em frente, que sonha com um país melhor e que hoje lidera, de longe, em diversos indicadores da nossa região.

Por isso, assimilar a força inovadora daquela viagem, a ânsia da exploração e a vocação de ir mais além, é uma característica dos nossos povos, tal como simboliza esta viagem, na luta diária, no desenvolvimento que, juntamente com a inovação, vai mais além do impensável.

Prestar homenagem a este homem de terra portuguesa, este homem incrível que foi Fernão de Magalhães, também é uma homenagem aos viajantes, aos expedicionários e a todos aqueles que não hesitam em atrever-se a ir mais além. É uma viagem para a qual todos somos chamados a enfrentar com otimismo, esperança e entusiasmo para superar todas os nossos "estreitos" e alcançar tudo o que nos propomos.

fonte