Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Os 4 fundamentos básicos da gestão de equipas de trabalho à distância

Com o cenário actual resultado do Covid-19, o trabalho remoto converteu-se repentinamente na realidade diária de um elevado número de pessoas e organizações. Como gerir a sua equipa em trabalho remoto com êxito, garantindo a produtividade?

A Robert Walters explica os 4 fundamentos em que se deve basear esta modalidade de trabalho de forma a assegurar a máxima eficácia:

1. A transformação do sistema de avaliação
A gestão do teletrabalho exige uma profunda mudança de mentalidade nos líderes de equipa, que devem basear os seus sistemas de avaliação em resultados, e não no comportamento visível. Para que isso funcione, deve-se estabelecer e manter um ambiente de confiança entre o manager e cada membro da sua equipa.

2. A implementação de alternativas (inovadoras) de comunicação
O trabalho flexível pode criar desafios de comunicação, pois os colaboradores podem sentir menor ligação entre si. Isto pode resultar num menor sentimento de pertença. Assim, além de ser positivo implementar um horário definido diário ou semanal para a equipa se reunir em videoconferência, também aconselhamos os managers a usarem ferramentas alternativas e outros canais digitais para fomentar a comunicação ao longo da semana, como mensagens instantâneas e reuniões virtuais, por exemplo através do Skype, Zoom, Workplace ou GoToMeeting, entre outras.
“É de vital importância que a realização e participação neste tipo de reuniões e conversas diárias sejam respeitadas; caso contrário, as pessoas poderão sentir-se perdidas no desempenho das suas funções. Os managers devem dedicar o tempo necessário para gerir e orientar os diferentes membros da equipa, além de garantir a sua máxima produtividade”, comenta Marco Laveda, Managing Director Spain & Portugal na Robert Walters.

3. A criação de uma cultura flexível
As empresas devem criar um ambiente ou cultura corporativa na qual os profissionais não se sintam em desvantagem ao trabalhar remotamente ou se sintam menos beneficiados do que aqueles que trabalham presencialmente. Os profissionais que trabalham na primeira modalidade podem não se sentir confortáveis numa situação de distância física com o seu manager ou com os outros colegas de equipa. Assim, é altamente recomendável que os chefes de equipa comuniquem abertamente as diferentes modalidades de trabalho (presenciais, flexíveis, remotas…) disponíveis na empresa com todos os colaboradores, garantindo assim que todos são tratados da mesma maneira e que têm as mesmas oportunidades (dentro do possível).

4. A gestão dos perigos do “burn-out”
Com o uso de smartphones para trabalhar e a possibilidade de se estar sempre ligado, principalmente trabalhando a partir de casa, a linha entre a vida profissional e a vida pessoal está a esbater-se. É, portanto, essencial que os chefes de equipa vão realizando check ups frequentes para garantir que as pessoas em trabalho remoto não estão a trabalhar excessivamente, pois isso pode levar a um elevado nível de stress e a um possível esgotamento físico e mental, ou “burn out”. Os sinais de alarme a que deve estar atento são a redução da produtividade/eficiência, uma indiferença pouco característica da pessoa, ou uma desmotivação visível.

fonte