Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Porto de Lisboa volta à normalidade sem contar com estivadores da A-ETPL

A Associação de Operadores do Porto de Lisboa (AOPL) revelou que o Porto de Lisboa retomou a atividade normal e reafirmou que os trabalhadores da empresa de trabalho portuário A-ETPL já não integram o efetivo daquela infraestrutura portuária.

“Por decisão do administrador de insolvência da A-ETPL (Associação Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa), os contratos de trabalho cessaram no dia 16 de março de 2020”, disse hoje à agência Lusa Diogo Marecos, porta-voz dos Operadores Portuários de Lisboa

“Os trabalhadores da A-ETPL já não têm a qualidade de estivadores, não tendo sequer já um seguro de acidentes de trabalho, além de que não integram o quadro efetivo do Porto de Lisboa, conforme comunicação da A-ETPL ao IMT (Instituto da Mobilidade e dos Transportes), não podendo por todos estes motivos prestar trabalho a nenhuma das empresas de estiva do Porto de Lisboa”, acrescentou.

O administrador da Sotagus, ligada ao grupo Yilport, e porta-voz dos Operadores Portuários de Lisboa, acusa também o Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL) de ter arrastado os estivadores da A-ETPL para a situação em que se encontram e de ter ignorado os sucessivos alertas das entidades empregadoras, de que as greves sucessivas no Porto de Lisboa iriam conduzir à insolvência da empresa.

Segundo Diogo Marecos, o SEAL é também responsável pela situação de mais 41 trabalhadores, da Liscont e Sotagus, que, nos últimos dias, terão seguido as indicações do sindicato desrespeitando a requisição civil do Governo e, na quinta-feira, também não acataram a declaração do estado de emergência, pelo que já foram objeto de uma queixa, por crime de desobediência, por parte das respetivas empresas.

“O Sindicato dos Estivadores de Lisboa é o único na Europa que desrespeitou serviços mínimos, requisição civil e estado de emergência”, sublinhou o porta-voz da AOPL.

Confrontado com a intenção anunciada do SEAL de solicitar uma assembleia de credores da A-ETPL, com o objetivo de travar o processo de insolvência e avançar para recuperação da empresa, Diogo Marecos mostrou-se convicto de que o encerramento da A-ETPL já é definitivo e que, por isso, os contratos de trabalho dos seus estivadores também caducaram de forma definitiva e irreversível.

Quanto aos sucessivos apelos do SEAL a uma intervenção do Governo, Diogo Marecos acredita que neste momento não há razões que justifiquem essa intervenção, porque “as empresas estão a agir dentro da legalidade”, além de que o “Porto de Lisboa também retomou hoje a atividade normal, mesmo sem contar com os ex-trabalhadores da A-ETPL”.

LUSA