Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

AGEPOR apoia «inequivocamente» requisição civil no Porto de Lisboa

A Associação dos Agentes de Navegação de Portugal (AGEPOR) manifestou o seu apoio à decisão do Governo de decretar uma requisição civil dos estivadores do Porto de Lisboa.

“A AGEPOR apoia inequivocamente a decisão do Governo de proceder à Requisição Civil dos trabalhadores portuários”, afirma a associação, em comunicado enviado às redações.

Para a AGEPOR, “é inconcebível que se continue uma greve em total indiferença para com a situação dramática que o país vive”, considerando que “é mais uma manifestação do desfasamento do SEAL [Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística] para com a realidade”.

O Governo decretou, na terça-feira, a requisição civil no Porto de Lisboa, por considerar que não foram assegurados os serviços mínimos na greve dos estivadores, pondo em risco o abastecimento de Lisboa, Açores e Madeira, informou em comunicado.

“Perante o incumprimento da obrigação de prestação de serviços mínimos, decidiu o Conselho de Ministros determinar a requisição civil, de forma proporcional e na medida do necessário para assegurar a satisfação de necessidades sociais impreteríveis e o funcionamento de setores vitais da economia nacional, em particular das regiões autónomas dos Açores e da Madeira”, lê-se no comunicado divulgado na altura.

O Governo acrescentou, na ocasião, que “o caráter excecional da requisição civil fica ainda a dever-se ao atual quadro de contingência decorrente do surto Covid-19, no âmbito do qual se constatou já uma afluência extraordinária de pessoas aos supermercados e farmácias, que motivou uma rutura de ‘stocks’”.

A associação que representa os agentes de navegação defende que a ausência de paz social duradoura tem tido como consequência a “progressiva queda de movimento em Lisboa”, e, como tal, “não ficou surpreendida” com a falência da Associação-Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa (A-ETPL).

“A AGEPOR foi avisando continuadamente que nenhum porto poderia sobreviver aos mais de 120 pré-avisos de greve decretados pelo SEAL na última década”, lembra.

Aquela associação considera ainda o SEAL “um sindicato que tem vivido da greve, para a greve e pela greve” e que usa os trabalhadores portuários como “carne para canhão”.

“A AGEPOR espera que este seja o último capítulo desta história triste e que possa ser o primeiro de uma nova vida do Porto de Lisboa, [...] assente numa paz social e duradoura, que a todos beneficie e, assim, promova a atividade económica que, neste momento, tanto precisamos”, sublinha.

fonte