Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Recuperados novos artefactos do HMS Erebus, um dos navios que se perdeu no Ártico em 1845

Uma equipa de investigadores continua a tentar resolver o mistério do misterioso desaparecimento da expedição de Sir John Franklin em busca da Passagem Noroeste.

Agora, os arqueólogos subaquáticos revelam mais de 350 artefactos recém-recuperados do HMS Erebus, um dos dois navios perdidos nas águas do Ártico.

A missão compõe as maiores e mais complexas recuperações arqueológicas subaquáticas da história do Canadá. Ao longo de três semanas no outono de 2019, a Equipa de Arqueologia Subaquática do Parks Canada realizou 93 mergulhos ao HMS Erebus, registando quase 110 horas.

Mergulhadores usaram estratégias tradicionais e inovadoras para remover sedimentos dos artefactos enterrados, para que pudessem mapear, fotografar e recuperar objetos, incluindo dragonas do uniforme de um tenente, pratos de cerâmica, uma escova de cabelo com cabo de madeira de cetim, cerdas de javali ou porco-espinho e uma caixa de lápis com o conteúdo ainda dentro.

Vários objetos recuperados pertencem ao administrador do capitão, Edmund Hoar, também foram recuperados, incluindo lacre com uma impressão digital.

Atualmente, os objetos estão alojados nos Laboratórios de Conservação da Parks Canada em Ottawa, onde estão a ser submetidos a análises preliminares que incluem a identificação das suas características físicas, a realização de raios-X, a criação de ilustrações e a fotografia dos objetos.

O HMS Erebus e o HMS Terror deixaram o rio Tamisa em Londres em 1845, sob o comando do capitão John Franklin, que tentava a sua terceira viagem em busca de uma passagem noroeste que ligava os oceanos Atlântico e Pacífico. Dois meses após a partida, os navios foram vistos na Baffin Bay, a leste da passagem, antes de desaparecerem com todos os 129 tripulantes.

Nos últimos 170 anos, uma trilha de pistas e relatos orais têm permitido que os especialistas reconheçam o que pode ter acontecido com a expedição. As notas deixadas pela tripulação explicam que muitos deles sobreviveram durante dois anos, vivendo de suprimentos de comida enlatada. O capitão Franklin morreu em junho de 1847.

Em abril de 1848, a tripulação restante decidiu caminhar em direção ao continente canadiano, onde os relatos dos inuítes descrevem a visão de homens brancos horrivelmente magros. Nenhum deles sobreviveu.

A descoberta dos artefactos da tripulação contribui para uma compreensão mais aprofundada dos relatos orais históricos sobre a expedição de Franklin.

“O grande volume de descobertas deste ano no HMS Erebus é um desenvolvimento empolgante no nosso trabalho contínuo nos naufrágios do HMS Erebus e do HMS Terror”, disse William Beveridge, diretor executivo da Inuit Heritage Trust, em comunicado. “À medida que mais histórias da Expedição Franklin e a sua associação com os inuítes forem reveladas por estas últimas descobertas, o Trust continuará a incorporar oc onhecimento inuíte na preservação, apresentação e gestão destes artefactos com os nossos parceiros do Parks Canada“.

O HMS Erebus, foi encontrado em 2014. Já o HMS Terror foi encontrado em 2016, a uma profundidade de 24 metros da Ilha King William, na Passagem Noroeste, a leste da Baía de Cambridge, na província de Nunavut.

Em agosto, a Parks Canada divulgou imagens inéditas do HMS Terror, o navio irmão da Erebus.

As localizações dos dois navios foram designadas como Sítio Histórico Nacional, geridas em conjunto pelos líderes do Parks Canada e Inuítes. Não é aberto ao público e é necessária uma permissão para entrar nas áreas protegidas.

fonte