Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

A SAGRES PARTIU

Marcelo consolou os familiares dos marinheiros que vão nesta viagem «histórica e irrepetível»

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este domingo que a viagem de circum-navegação do navio-escola Sagres é um momento "histórico, irrepetível e singular", e consolou os familiares dos marinheiros que estarão fora mais de um ano.

No Terminal de Cruzeiros de Santa Apolónia, em Lisboa, o entusiasmo gerado em torno da largada do navio-escola Sagres para uma viagem de mais de um ano contrastava com as lágrimas de muitos familiares que se foram despedir dos 142 elementos da guarnição.

A bordo do Sagres, Marcelo Rebelo de Sousa participou na cerimónia formal de entrega da bandeira nacional e ouviu o hino nacional, tocado pela Banda da Armada e cantado pelos marinheiros e discursou.

Depois do desembarque, juntamente com outras altas entidades, para que começassem os preparativos para que o navio pudesse zarpar, o Presidente da República dirigiu-se até às grades, onde muitos familiares e amigos se juntaram para se despedir e acenar.

Marcelo Rebelo de Sousa abraçou, beijou, consolou e até lágrimas limpou daqueles que choravam a partida por mais de um ano dos seus entes queridos para esta viagem no âmbito das comemorações do V Centenário da Circum-Navegação do navegador português Fernão de Magalhães.

“Estamos a viver um momento histórico, irrepetível e singular porque estamos a celebrar o passado, a afirmar o presente e a construir o futuro”, disse, antes, no discurso a bordo.

O chefe de Estado lembrou que o “Sagres já fez três viagens de circum-navegação”, mas pela primeira vez “vai coincidir com os 500 anos de um momento que marcou a história da humanidade, um momento personificado por Fernão de Magalhães”.

“Estes homens, estes marinheiros de Portugal durante um ano irão percorrer o caminho percorrido há cinco séculos. Irão reviver a história de Portugal e do mundo”, enalteceu.

Além de celebrar o passado, esta viagem, na visão de Marcelo Rebelo de Sousa, servirá para “afirmar também Portugal no presente”, no Japão, durante os Jogos Olímpicos deste ano, nos quais o Sagres será a casa de Portugal.

“E a bandeira nacional hoje entregue será, daqui por alguns meses, recebida em Tóquio e lá estarei nesse momento, em representação de Portugal. Será recebida pela nossa delegação olímpica e traduzirá a projeção da nossa juventude, do nosso desporto, do espírito olímpico vivido por Portugal num encontro de todo o mundo”, afirmou.

Esta afirmação de Portugal acontecerá também, no seu entender, “porto a porto, no encontro com as comunidades portuguesas” que será proporcionado pelo navio.

“Mas esta viagem tem como objetivo construir o futuro na afirmação da nossa marinha, da nossa ciência, da nossa tecnologia, do nosso desporto, da nossa juventude, naquela vocação que ficou colada à nossa pele, que é a nossa vocação universal. Não há português que não seja universal”, elencou.

Por isso, para Marcelo Rebelo de Sousa, “esta viagem é histórica”, mensagem que repetiu depois a muitos familiares na tentativa de os consolar.

“É bom que recordem nas vossas memórias, marinheiros de Portugal, marinheiros da Sagres, a honra de representarem Portugal 500 anos depois, de reviverem o passado, de celebrarem esse passado, de afirmarem o nosso presente, de estarem a construir o nosso futuro”, apelou.

O discurso terminou com um agradecimento “em nome de todo o Portugal, de todas as portuguesas e de todos os portugueses” pelo contributo que estes homens e mulheres da Marinha estão a deixar para a “história comum”.

O Presidente da República, juntamente com o chefe do Estado-Maior da Armada, Mendes Calado, e com o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, despediu-se do navio-escola Sagres enquanto este zarpava, acenando bem perto da água.

fonte