Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

TRÊS CIDADES FILIPINAS COM O NOME DE MAGALHÃES

Portugal produziu o homem que colocou grande parte do mundo no mapa

"Magalhães, Magallanes, Magellan é um título enganosamente inocente para o seminário de Lisboa organizado pela Embaixada das Filipinas. O simples ato de posicionar a forma em português, espanhol e inglês do sobrenome de um explorador do século XVI ressalta não apenas questões de idioma e tradução, mas a um nível mais profundo, a questão do ponto de vista da história.

Nas Filipinas não faltam referências históricas: há três cidades com o nome de Magalhães nas províncias de Sorsogon Cavite e Agusan del Norte; um condomínio fechado de luxo, uma estação ferroviária e um intercâmbio rodoviário em Makati, na Grande Manila. Existem numerosos nomes de ruas, monumentos, memoriais e referências históricas em todas as Filipinas que os filipinos veem diariamente, mas não prestam atenção.

Se a história é um ato consciente de lembrança, então a questão colocada no seminário de Lisboa é: como Fernão de Magalhães é lembrado hoje nas Filipinas? Como deve ele ser lembrado? As respostas a essas perguntas não apenas levam à análise do impacto de um evento que ocorreu há cinco séculos nas Filipinas, ontem como hoje, mas, mais importante ainda, destacam os vínculos históricos entre Filipinas, Portugal e Espanha, que podem fornecer informações úteis para nos ajudar a navegar, como os antigos exploradores, o futuro desconhecido e incerto."

Ambeth R. Ocampo, Universidade Ateneo de Manila, ex-presidente da Comissão Histórica Nacional das Filipinas

Uma profunda transformação positiva na vida dos filipinos

"A expedição de Magalhães, embora seja um episódio muito importante da história das Filipinas, atinge um grau não apenas transnacional, mas também de proporção transcendental, pois o evento em si, assim como a magnitude do feito de Magalhães, não apenas definiu o curso da história de uma nação ou até de nações, mas da humanidade em geral. Embora a maioria das histórias de Magalhães tenham atribuído à expedição uma importância marginal na expansão imperial da Espanha no século XVI, a armada das Molucas foi, na realidade, a primeira frota expedicionária a levar o mandato do sonho de Carlos de um império em expansão, o Plus Ultra, que literalmente se traduz "Mais além". A expedição, portanto, foi encarregada de levar além dos limites dos enclaves coloniais familiares do seu império, os seus sonhos ambiciosos de colocar sob o seu domínio o mundo misterioso do ultramar, e lançar as bases para o extermínio dos mouros, a conversão dos pagãos ao cristianismo, o controlo global de especiarias e pedras preciosas e a expansão das fronteiras imperiais além das Américas.

Apesar de todas as críticas levantadas contra os supostos efeitos atrozes do colonialismo espanhol e do papel pioneiro de Magalhães, e mesmo que a Magalhães seja negado o título de descobridor, ou seja mesmo condenado como o prenúncio dos males do colonialismo espanhol, sem dúvida que ele deixou uma profunda transformação positiva na vida dos filipinos, seja através das dolorosas lições aprendidas ao longo da história ou dos conceitos e das crenças que foram assimilados como parte da cultura filipina. Magalhães realizou algo cujos benefícios excederam o interesse e os objetivos puramente pessoais ou mesmo imperiais de seu patrono, o rei da Espanha."

Danilo Gerona, diretor do Magellan Studies Center, Partido State University, Camarines Sur

Uma história de conflito e colonialismo, mas também de união e trocas culturais

"A chegada de Magalhães às Filipinas foi o início de um encontro asiático-ibérico que mudou e moldou a cultura indígena, o meio ambiente, a tecnologia, as ideologias e o comércio. Mas não foi apenas uma entrada estrangeira da Ibéria no nativo; adaptamos, aculturamos, tornamos as coisas estrangeiras próprias - por meio de conflitos, comércio, casamento e de maneira criativa - uma história de conflito e colonialismo, mas também de união e trocas culturais.

O cristianismo, por exemplo, pode ter sido um legado espanhol, mas foi introduzido no idioma local, explicando o conceito de Jesus como um Datu em alguns sermões missionários. E assim a expressão da fé foi localizada para se adaptar aos entendimentos nativos, produzindo no processo também formas únicas de práticas filipinas cristãs. Em termos comerciais, enquanto os nossos vínculos com Malaca e outras partes do sudeste da Ásia eram mantidos em monopólio pelos galeões espanhóis, nunca era uniforme ou constante. O comércio interilhas continuou em algumas partes, pois a colonização era desigual, produzindo bolsas de resistência e mantendo as profundas redes históricas por séculos. Depois, é claro, há o meio ambiente, a introdução de flora e fauna das Américas, trazidas para as Filipinas, como milho e batatas. Ao mesmo tempo, havia imagens de santos e anjos e outros itens religiosos feitos nas Filipinas, e escravos filipinos, levados para o México através dos galeões de Manila.

O local afetou o estrangeiro, assim como o estrangeiro mudou o local - é isso que quero enfatizar - nossa história desde Magalhães é feita das redes/ligações globais compostas e multidirecionais que mudaram o estrangeiro e o local."

Felice Noelle Rodriguez, professor na Ateneo de Zamboanga University

Um homem que desafiou o medo e a ignorância do seu tempo

"Fernão de Magalhães eleva-se acima dos outras personagens históricos da sua época ao liderar a Europa para fora do período medieval. Ele navegou pelos oceanos cheios de esperança de novas descobertas, contra a superstição e a ignorância do seu tempo. Ele montou a grande armada das Molucas e partiu a 20 de setembro de 1519 e, depois de quase dois anos no mar, a sua expedição épica avistou terra a 17 de março de 1521 na atual ilha de Samar nas Filipinas. O evento mudaria o curso da história para sempre, principalmente no país que mais tarde seria chamado Las Islas Filipinas.

Embora sua vida fosse interrompida depois de chegar às Filipinas, milhões e milhões de filipinos mais tarde se lembrariam dele como o homem que descobriu as Filipinas. O seu nome e rosto aparecem em todos os livros didáticos e marcos históricos o honram. Portugal produziu um homem que colocou grande parte do mundo no mapa.

Ao celebrarmos o quinto centenário da sua chegada às Filipinas em 2021, estamos a recordar um homem que desafiou o medo e a ignorância do seu tempo e sem ele o mundo, segundo William Manchester, nunca seria iluminado pela luz."

Francis M. Navarro, professor no Departamento de História Ateneo de Manila

A semente do cristianismo que Magalhães plantou caiu em solo fértil

"Antonio Pigafetta escreveu que a pessoa que introduziu o cristianismo no nosso país não era um membro da hierarquia católica, mas o próprio chefe da expedição, que por acaso era português. Para muitos filipinos católicos, que compõem 80% da nossa população, Fernão de Magalhães será lembrado não apenas como navegador, explorador e colonizador. O seu legado duradouro no nosso país é o seu papel como pregador que convenceu os habitantes de Cebu a abandonar sua religião popular e a aceitar o cristianismo. A imagem do menino Jesus que chamamos de Sto Ñino de Cebu e a cruz que eles plantaram, que as pessoas chamam 'cruz de Magalhães', permanecem importantes tesouros nacionais que atraem devotos locais e estrangeiros.

Parece que a semente do cristianismo que Magalhães plantou caiu em solo fértil. As Filipinas hoje continuam sendo o único país católico na nossa região. Nos últimos cinco séculos, a tradição católica permaneceu parte da nossa vida quotidiana e da nossa visão do mundo. Construímos as nossas igrejas no coração das nossas cidades, a maioria dos nossos feriados é de natureza religiosa, iniciamos e terminamos nossas atividades comunitárias com uma oração, muitas das nossas escolas são administradas por ordens religiosas e consideramos o Papa o mais popular e influente líder mundial. Quem está familiarizado com a história das Filipinas provavelmente já ouviu falar que há três décadas a Igreja Católica liderou a campanha para derrubar um poderoso ditador. Se Magalhães não propagasse o cristianismo e simplesmente deixasse o nosso país depois de obter as provisões necessárias, certamente o cenário político e cultural das Filipinas seria diferente."

Rene Escalante, presidente da Comissão Nacional Histórica da Universidade das Filipinas

fonte