Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

AÇORES

Porto das Lajes das Flores deverá ser aberto à navegação «muito em breve»

O Governo Regional dos Açores prevê que o Porto das Lajes das Flores, destruído pelo furacão "Lorenzo", possa ser aberto à navegação "muito em breve", tendo sido já limpa "70% da área do terrapleno". "Tendo em conta os trabalhos já desenvolvidos, estima-se que, muito em breve, o Porto Comercial das Lajes das Flores possa ser aberto à navegação, pelo menos para navios até 60 metros e calado até cinco metros", adianta o executivo açoriano, numa nota de imprensa.

A passagem do furacão "Lorenzo" pelos Açores, na madrugada e manhã de quarta-feira, dia 2 de outubro, provocou mais de 250 ocorrências e obrigou ao realojamento de 53 pessoas. O Porto das Lajes das Flores ficou "totalmente destruído", colocando constrangimentos ao abastecimento de combustível por via marítima à ilha, o que levou o Governo Regional a declarar "situação de crise energética".

Segundo o executivo açoriano, os trabalhos de limpeza e remoção dos destroços deste porto tiveram início na quinta-feira, 03 de outubro, "mal o estado do tempo o permitiu, estando atualmente já limpa 70% da área do terrapleno".

"Procedeu-se à demolição de grandes blocos de betão, bem como à retirada de contentores da zona das pescas e do restante terrapleno", avançou o Governo na nota, destacando a "celeridade dos trabalhos" desenvolvidos pela empresa Portos dos Açores, que gere os portos do arquipélago.

O Governo Regional estima que, "em meados da próxima semana, esta limpeza esteja praticamente concluída" e que a operacionalidade do Porto Comercial das Lajes seja "reposta em tempo recorde".

Além da limpeza, a equipa das infraestruturas e manutenção da Portos dos Açores fez uma análise ao cais 5 para "perceber se existiriam condições de acostagem". "Através de mergulhos técnicos, foram sinalizadas as peças a remover para garantir a profundidade necessária à operação, tendo esses elementos sido retirados este sábado", adiantou o executivo açoriano.
Vistoria ao molhe principal

Foi igualmente feita uma vistoria ao molhe principal do cais comercial, "tendo já sido sinalizadas algumas intervenções urgentes a ter em consideração para proteção da bacia portuária e sua operação, aguardando-se a conclusão das sondagens para avançar com a elaboração do projeto de execução da nova estrutura portuária a construir", acrescentou.

Ainda no sábado, foram retirados contentores e outros bens depositados no interior do núcleo de recreio náutico, com recurso ao equipamento portuário "que foi recuperado com a urgência possível para apoio a estas operações".

Segundo o Governo Regional, está a ser estudada "a possibilidade de melhorar o acesso rodoviário ao terrapleno, de forma a permitir uma maior facilidade de circulação, incluindo de viaturas pesadas, embora o acesso esteja garantido por uma segunda via".

Hoje, terão início os trabalhos para a "remoção cuidadosa e delicada" da embarcação Ariel, que assegura as ligações da empresa pública Atlânticoline entre as ilhas das Flores e do Corvo, e da lancha de pilotos, juntamente com um barco de pesca, "cuja remoção se afigura complexa, para que não sofram mais danos".

A Marinha e a Força Aérea enviaram para a ilha das Flores materiais e 294 militares para darem apoio às necessidades no terreno.

fonte