Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MINISTRA DO MAR:

Novas embarcações reforçam segurança da Via Navegável do Douro

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, frisou esta terça-feira que as cinco novas embarcações colocadas em funcionamento pela Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) “reforçam a segurança” da Via Navegável do Douro (VND).

“Não nos podemos esquecer que às vezes aqui se trabalha em condições adversas de mau tempo e ondulação elevada, sendo de facto muito necessário garantir condições de segurança e de conforto. E o [rio] Douro cada vez mais tem turismo de cruzeiro, atividade de pesca e navegação de mercadorias. É fundamental que exista a segurança da navegação”, disse Ana Paula Vitorino.

A ministra do Mar, que presidiu esta manhã à cerimónia de batismo das cinco novas embarcações, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, adicionou aos objetivos desta aquisição que custou mais de quatro milhões de euros e contou com 85% de comparticipação comunitária “a manutenção de elevados critérios de exigência ambiental”.

Já a presidente do conselho de administração da APDL, Guilhermina Rego, referiu como objetivo “garantir a capacidade de resposta e de segurança” das três estruturas desta entidade: o rio Douro, o porto de Leixões e o porto de Viana do Castelo.

Das cinco embarcações, destaca-se o rebocador multifunções, um equipamento de construção nacional que integrará o Plano de Emergência da VND e que custou 2,75 milhões de euros.

Soma-se uma lancha de pilotos que custou 829 mil euros, bem como três lanchas de amarração – a Fuzelhas, a Corgo e a Praia d’Aguda – que, no total, custaram 830 mil euros.

Guilhermina Rego descreveu que o rebocador multifunções tem, também, características que lhe permitem ajudar no combate a incêndios ou na detenção de derrames, entre outras situações, enquanto a lancha de pilotos, disse a presidente da APDL, “vem garantir a fiabilidade dos serviços de pilotagem nas condições mais adversas de mar”.

“Isto é uma parte de uma abordagem nova e mais ambiciosa para o Douro que é uma grande via navegável da Europa, estando sujeito a exigências. A APDL e o Estado têm responsabilidades e o Douro é uma grande prioridade. É a possibilidade de levar o mar e oceano mais além. Este é um pequeno contributo para a melhoria da qualidade ambiental do Douro”, acrescentou Ana Paula Vitorino.

A ministra do Mar sublinhou ainda, já à margem da cerimónia, que “a APDL tem um grande projeto de requalificação da via navegável do Douro”, enumerando intervenções como o alargamento e aprofundamento do canal ou ajustes que permitirão navegação noturna e que os navios se cruzem em segurança, somando ao leque de empreitadas a reabilitação das eclusas.

Ana Paula Vitorino destacou, por fim, a parceria com as câmaras municipais, elogiando os projetos que visam a requalificação das margens.

A estes projetos somam-se “investimentos na melhoria das condições de navegabilidade da VND, nomeadamente no que diz respeito à melhoria dos sistemas de comunicação e informação”, refere informação remetida à agência Lusa.

“Isto tem contribuído para a criação de uma alternativa de transporte sustentável com a qualidade e segurança exigidas a nível europeu e internacional”, lê-se na nota da APDL.

Em Portugal, a Via Navegável do Douro possui 208 quilómetros desde o oceano Atlântico até à fronteira espanhola de Barca D'Alva.

Na mesma cerimónia, a ministra do Mar também apontou que o setor da indústria naval registou um aumento de 20% em 2018 face a 2017, mostrando convicção de que esta área é “uma boa aposta para as gerações mais novas”.

“Tem havido um aumento substancial. A maior parte das embarcações que são necessárias para os portos portugueses já são feitas em Portugal. As embarcações para o turismo de cruzeiro do Douro também já são maioritariamente feitas em Portugal e o setor de exportação também tem registado aumentos. Quer em Viana do Castelo quer no Algarve existem já estaleiros especializados em embarcações para exportar”, disse a governante.

A ministra do Mar apontou que “o crescimento das encomendas permite dizer que esta é uma indústria que está a aumentar o número de postos de trabalho”.

“Isto é fantástico porque há uns anos não estaríamos a falar dentro de um rebocador construído em Portugal. Esta é já uma evolução”, concluiu.

fonte