Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MINISTRA DO MAR:

Transporte fluvial de cargas no Tejo é solução para «descongestionar malha urbana de Lisboa»

 A Ministra do Mar deslocou-se esta sexta-feira à Torre VTS do Porto de Lisboa, onde ficou a conhecer o novo sistema de monitorização do tráfego marítimo do porto, um investimento no valor de 951.606 euros. De seguida, Ana Paula Vitorino presidiu à apresentação do Estudo da Navegabilidade do Tejo, que decorreu no auditório do IPMA, em Algés. Para a líder da pasta do Mar, o estudo volta a trazer para a ribalta «uma alternativa eficaz ao transporte ferroviário e rodoviário nas entradas e saídas do porto de Lisboa», capaz de ser regular e estrutural.

«Neste neste momento pode-se, casuisticamente, fazer um transporte por via fluvial, mas não está regulado nem tem alinhamentos que o permitam fazer com regularidade», explicou Ana Paula Vitorino. A solução fluvial afigura-se importante para «descongestionar a malha urbana de Lisboa», sendo uma excelente opção alternativa ao escoamento de cargas (a partir do porto da capital) feito pela rodovia. A opção fluvial concorrerá para tornar o transporte de cargas mais amigo do ambiente: se uma barcaça transportar até 100 contentores, serão menos 100 camiões nas estradas.

O transporte de mercadorias através do rio Tejo chegará à plataforma logística de Castanheira do Ribatejo, de gestão privada, e que irá estar em funcionamento no final de 2020, frisou Ana Paula Vitorino. Mas para que tal seja uma realidade regular e segura, «é necessário fazer as dragagens para se aprofundar o rio e as barcaças puderem navegar», lembrou a ministra, ao prestar declarações à comunicação social. Espera-se que, assim que a plataforma logística de Castanheira do Ribatejo estiver a funcionar, arranque o transporte fluvial, adiantou a ministra.

O estudo hoje apresentado foi da responsabilidade da Administração do Porto de Lisboa (APL) e pretendeu identificar cenários e desenvolvimento dos trabalhos necessários para garantir a navegabilidade do Tejo associada ao transporte de mercadorias — de granéis sólidos e de carga contentorizada.

fonte

Consulte a apresentação do Estudo da Navegabilidade do Tejo