Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Robert Ballard encontrou o Titanic em 1985. Agora, está à procura do avião de Amelia Earhart

Robert Ballard já encontrou o inafundável Titanic, o porta-aviões USS Yorktown perdido durante a Batalha de Midway e o famoso PT-109, barco-patrulha pilotado pelo então tenente John F. Kennedy, que se afundou no Mar de Salomão. Agora, tem uma nova missão.

O explorador Robert Ballard vai viajar a 7 de agosto para Nikumaroro, ilha desabitada do Pacífico, para tentar resolver o mistério do desaparecimento da aviadora Amelia Earhart.

Earhart desapareceu em 1937, juntamente com o navegador Fred Noonan, ao tentar tornar-se a primeira mulher a circum-navegar o globo. Desde então, exploradores e investigadores têm andado obcecados com o desaparecimento, um dos maiores mistérios não resolvidos do século XX.

“Amelia Earhart está no ecrã do meu sonar há muito, muito tempo”, disse o explorador ao The Washington Post esta quarta-feira. “O meu negócio é encontrar coisas. Não quero não encontrar coisas.”

Mas as oportunidades de investigação na região, segundo o explorador, levaram-no a Nikumaroro, aproximadamente a meio caminho entre o Havai e a Austrália, num dos lugares mais remotos do planeta.

Ballard disse que as suas equipas, em terra e no leito oceânico, vão operar com base na teoria mais popular: que Earhart pousou o avião num coral recortado no lado noroeste de Nikumaroro e enviou inúmeras mensagens de rádio, cada vez mais desesperadas, até a maré arrastar o avião para longe.

De acordo com esta teoria, Earhart morreu na ilha, deixando alguns a especular incessantemente se os ossos recuperados na zona seriam seus. O Lockheed Model 10 Electra de Earhart, sustenta a teoria, terá sido levado pelo mar e arrastado para o abismo do oceano. A conclusão oficial da Marinha dos EUA é que Earhart e Noonan morreram pouco depois de colidirem com o Oceano Pacífico.

Se Earhart teve de fazer uma aterragem de emergência, teria visto Nikumaroro como um dos poucos locais possíveis para o fazer na região.

Na busca de Ballard, uma equipa irá explorar Nikumaroro com cães farejadores de ossos. Ballard e Allison Fundi irão vasculhar as profundezas do oceano em redor da ilha. Os tripulantes a bordo do Nautilus irão mapear a área com equipamentos de imagem montados no casco, que conseguem distinguir a dureza dos objetos .
O sonar normal não será usado nesse terreno. Nikumaroro é um conjunto de cumes vulcânicos que saltam da crosta terrestre, transformando a região num emaranhado de vales. Quando a área for mapeada, dois navios robóticos equipados com uma câmara percorrerão o fundo do mar.

Ballard, fundador do Ocean Exploration Trust, disse que a sua missão vai aproveitar grande parte da evidência da teoria do pouso reunida por outro grupo, o Grupo Internacional para Recuperação Histórica de Aeronaves. A expedição de Ballard é financiada em conjunto pela National Geographic Partners e pela National Geographic Society.

A missão também é um evento televisivo para a National Geographic, que exibirá um especial sobre a expedição e o legado de Earhart em outubro.

Doze anos depois de as mulheres terem conquistado o direito a votar, em 1932 Earhart tornou-se a primeira mulher a atravessar o Oceano Atlântico. Cinco anos mais tarde, teria sido a primeira mulher a voar à volta do mundo — se tivesse terminado o seu voo.

fonte

















Artigos relacionados:

  • BUSCAS SUBMARINAS, 75 ANOS DEPOIS - À procura do avião de Amelia Earhart