Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Gaspar, o primeiro golfinho boto-branco ibérico, tem visitado as praias do Porto e Matosinhos

O primeiro golfinho boto-branco registado na Península Ibérica tem visitado as praias do Porto e de Matosinhos e, além de ser bastante "sociável", os pescadores acreditam tratar-se de uma fêmea por já o terem avistado com um filhote.

O Gaspar, nome que as investigadoras do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha (CIIMAR) Agatha Gil e Mafalda Correia deram ao primeiro golfinho boto-branco a ser avistado na Península Ibérica, visitou pela primeira vez as águas da foz do rio Douro em 2017, no Porto.

VEJA O VÍDEO

"Um dia fui ver o pôr-do-sol na Foz e foi quando vi algo branco na água. Inicialmente achei que fosse um plástico, mas começou a aproximar-se. Cheguei até a pensar que fosse um tubarão e só depois percebi que afinal era um golfinho", contou Agatha Gil.

Em declarações à Lusa, a investigadora explicou que desde então o Gaspar, que é considerado um animal leucístico (por ter uma coloração anómala da cor), tem vindo a ser monitorizado pela equipa de investigadores do CIIMAR, com sede em Matosinhos, no âmbito do projeto CETUS.

"O Gaspar tem um comportamento bastante peculiar, porque é o único que se aproxima menos de cinco metros da praia do Molhe, no Porto, e está sempre a brincar com peixe", contou, adiantando que o animal é maioritariamente de cor branca, tendo apenas algumas pintas pretas no dorso e um pequeno corte na barbatana dorsal.

À Lusa, Mafalda Correia afirmou que, apesar das investigadoras ainda não terem a certeza, os pescadores da zona afirmam que o golfinho "deve ser uma fêmea", uma vez que já o avistaram acompanhado por um filhote.

Apesar de existirem registos de animais leucísticos na Califórnia (Estados Unidos da América) e em Inglaterra, o Gaspar é o primeiro animal ibérico com estas características a ser registado.

"Estamos sempre em contacto com os especialistas que trabalham com estes animais. Um dos especialistas é da Califórnia e quando viu as fotos do Gaspar disse-nos que é o animal leucístico mais bonito do mundo", salientou a investigadora.

O projeto CETUS, desenvolvido desde 2012 por uma equipa de quatro investigadores do CIIMAR e realizado em parceria com a empresa TransInsular e o Instituto Hidrográfico, tem vindo a recolher informações sobre a distribuição e abundância de cetáceos em áreas remotas e pouco estudadas, como é o caso das águas do norte de Portugal e a região da foz do rio Douro.

Além da costa portuguesa, a equipa monitoriza também a região da Macaronésia (arquipélago dos Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde) com o objetivo de recolher dados sobre golfinhos e baleias de modo a conseguir determinar a sua abundância na região do oceano Atlântico.

Desde 2012, os investigadores já conseguiram identificar mais de 27 espécies, sendo que 20 espécies de golfinhos frequentemente visitam a costa portuguesa, sendo a espécie mais abundante o 'golfinho comum'.

Todos os anos, voluntários de vários cantos do mundo juntam-se à equipa de investigadores para embarcarem em navios de carga para a missão e registarem as diferentes espécies.

Segundo Mafalda Correia, o grupo conta este ano com cinco voluntários da Austrália, Escócia, Espanha e Inglaterra.