Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Ministra do Mar inaugura novo Farolim e Reconstrução da Cabeça do Quebra-mar da barra de Vila Real de Santo António

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e a Presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Conceição Cabrita, inauguraram o novo Farolim e a Reconstrução da Cabeça do Quebra-Mar Poente da Barra de Vila Real de Santo António. A empreitada foi realizada pela Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), representando um investimento total de 500.000€.

Esta obra teve início em setembro de 2018, após concurso público realizado para o efeito, em consequência da tempestade EMA que assolou o algarve em fevereiro de 2018 e provocou a destruição total da cabeça do quebra-mar poente da barra de Vila Real de Santo António, deixando esta barra internacional sem assinalamento marítimo.

Recorde-se que o quebra-mar de Vila Real de Santo António foi construído há mais de três décadas, numa altura em que já não havia mineração proveniente da mina de S. Domingos, mas ainda assim numa altura importante para manter viável o que era então o maior porto comercial do Algarve. Todavia, a construção deste quebra-mar nunca foi devidamente concluída. Ficou a faltar a laje do coroamento e o farolim para sinalização marítima. A solução encontrada para o farolim foi a de instalar provisoriamente um farolim que se manteve “definitivo” até aos temporais de fevereiro de 2018, dos quais resultaram a destruição da cabeça do quebra-mar, do provisório farolim e mais 20 m do seu corpo principal.