Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Dar nova vida ao plástico

Em Roterdão constroem-se parques flutuantes com material reciclado

Todos os dias chegam toneladas de plástico aos oceanos. Mas há quem tenha decidido remar contra esta maré. Em Roterdão, este material tem sido reciclado para dar lugar a algo inesperado: um parque urbano flutuante. E já há imagens do primeiro protótipo.

Em vez de deixar chegar o plástico aos oceanos, a Fundação Recycled Island e 25 parceiros criaram o “Recycled Park”, um espaço público composto por várias plataformas flutuantes construídas a partir de resíduos de plástico reciclado. A equipa colocou “armadilhas” ao longo do rio Meuse, responsáveis por recolher o lixo, que depois é transformado em plataformas.

O plástico é recolhido e depois enviado para a Universidade de Wageningen, que lidera a pesquisa sobre técnicas eficazes de reciclagem. Mas as plataformas não foram apenas projetadas para reduzir a poluição, também servem como habitat para a vida selvagem.

Uma “multidão” de plantas cresce tanto em cima como debaixo das plataformas, permitindo que a vegetação prospere no topo, proporcionando um habitat capaz de manter a vida marinha e encorajando os peixes a colocar os ovos sob as plataformas.

fonte