Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O transporte autónomo ainda é um tema dúbio

“Nunca veremos navios de carga comerciais trans-oceânicos totalmente autónomos” escreve o Comandante David Dubay, Professor de Direito Internacional no The Maritime Executive, que não acredita em embarcações totalmente autónomas. Segundo o comandante este sistema servirá apenas para situações muito limitadas.

Este tema, que tem nos últimos anos ganho visão, tem de facto motivo de ser. A tecnologia está cada vez mais apurada. Entre câmaras, sensores ou satélites os novos instrumentos “prometem” um mundo no qual os navios em breve atravessarão os oceanos sem um humano a bordo. A par com esta evolução enconram-se a Organização Marítima Internacional (IMO) e o Comité Marítimo Internacional (CMI) que já estudam inclusivamente formas de encaixar este tipo de navegação na estrutura existente do direito marítimo internacional.

No entanto, estas tecnologias ainda são muito vulneráveis e caras para se apresentarem num espectro de futuro visível, não obstante os avanços da tecnologia continuarem a tornar as viagens cada vez mais seguras e eficientes. Se por um lado, uma mudança para embarcações autónomas prometeria uma economia de custos, não tendo de pagar por comandante e tripulação, e talvez por maior segurança, por outro lado, seriam necessários novos operadores e técnicos para fazer o sistema funcionar e todo o equipamento para automatizar o navio é extremamente caro.

fonte