Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Histórias de Jovens Pescadores

David Caçoila, homem do mar desde que se conhece

David Caçoila, 36 anos, casado, um filho, é homem do mar desde que se conhece. Aprendeu com pai a gostar do mar, sobretudo na apanha da alga, em São Martinho do Porto, onde ainda vive.

Esta experiência levou-o, com naturalidade, à Marinha, onde foi Mergulhador da Armada Portuguesa durante 3 anos. Ganhou os conhecimentos que lhe permitem hoje ser um profissional do mar.

E foi nessa condição que recorreu a um apoio do Mar2020, sem o qual não conseguiria adquirir uma embarcação, já com licença, para desenvolver a sua própria atividade, que reparte entre a pesca, a apanha da alga e o mergulho profissional.

Ao mergulho profissional já dedica menos tempo. Participou em muitas obras, das quais recorda com carinho, a doca seca da Nazaré, porto onde o seu barco está agora fundeado.

A apanha da alga ocupa-lhe 30 dias por ano e fá-la nas águas de São Martinho do Porto. As condições do mar nem sempre são as melhores e a apanha só se pode fazer de julho a novembro. No seu barco vão 8 pessoas. 6 mergulham e 2 dão o apoio necessário. É uma equipa grande, porque precisam de tirar o maior partido possível de todos os momentos que o mar lhes dá. Fazem-no em mergulho semiautónomo, isto é, com fato e máscara e com apoio de oxigénio a partir de um compressor certificado e específico para o efeito.

Sobre a pesca, diz ser uma atividade apenas para quem gosta e que está cada vez mais difícil. Não por causa da faina em si, mas porque sente que os recursos são cada vez mais escassos e porque há quem tenha muitas artes, que criam limitações aos pescadores mais pequenos que acabam, também, por estar mais limitados devido à imprevisibilidade das condições do mar. Destaca que este inverno que passou foi muito rigoroso, mas que vai dando para ele, um irmão e um ou dois ajudantes organizarem a sua vida.

Para memória futura, guarda um encontro recente que teve com um tubarão. Um bicho com 3,5 m e que mete muito respeito. E não é coisa de filmes de Hollywood.

fonte