Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Concluído grande parte do levantamento topo-hidrográfico em Sines

Já foi sondada 90 % da área de interesse, foram executados 50% dos trabalhos topográficos de praias e deu-se por concluída a topografia para actualização cartográfica do porto de Sines, segundo comunicado do Instituto Hidrográfico. Concluída com sucesso, aguarda-se que os resultados sejam aplicados na actualização da carta náutica oficial da área do porto de Sines, procedimento comum em qualquer levantamento hidrográfico realizado pela Brigada Hidrográfica (BH).

O levantamento, que surgiu na sequência da solicitação da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS) para monitorizar os efeitos das estruturas portuárias do porto de Sines na evolução da zona costeira adjacente, com enfâse na zona de São Torpes, à Brigada Hidrográfica e às Divisões de Hidrografia, Geologia Marinha e Oceanografia do Instituto Hidrogr¬áfico, está a ser realizado desde 8 de Março de 2019.

Nesta missão participam equipas dedicadas às áreas da hidrografia (que trata das medições e descrições das estruturas físicas dos oceanos, mares, zonas costeiras, além da previsão da sua variação ao longo do tempo, tendo como principal objectivo a segurança da navegação e o apoio às actividades marinhas) e da topografia (que se pode considerar, neste contexto, como o equivalente da hidrografia em terra). Fizeram parte desta missão cinco hidrógrafos, dois técnicos de hidrografia, um técnico de manutenção de equipamentos, 4 patrões de embarcação e a guarnição da embarcação UAM Fisália, constituída por três militares.

A missão, para além da obtenção dos dados de hidrografia e topografia, “tem também como objectivo capacitar técnica e operacionalmente os hidrógrafos que terminaram o curso de hidrografia da categoria A, recém-chegados à BH, incluindo-os nas tarefas que agregam quase toda a componente prática da Brigada”, explicou a equipa do Instituto ao Jornal da Economia do Mar. O que lhes dará não só confiança como capacidades para posteriormente trabalhar fora de Lisboa.

A primeira campanha deste trabalho plurianual de cinco anos, realizada em embarcações de sondagem UAM Fisália e na lancha Mergulhão, essencialmente destinadas à utilização de um sistema sondador multifeixe, e um bote equipado com um sistema sondador de feixe simples, está praticamente terminada, faltando apenas a recolha de amostras de sedimentos do fundo do mar. Tarefa que deverá estar concluída esta semana.

Note-se que “o curso de Hidrografia Cat A é um curso acreditado pela Organização Hidrográfica Internacional, dado pela Escola de Hidrografia e Oceanografia do Instituto Hidrográfico. Os hidrógrafos que terminaram o último curso são quatro oficiais de marinha que tiveram, neste levantamento, oportunidade de, sob a coordenação do hidrógrafo do levantamento (um oficial hidrógrafo mais experiente), colocar em prática todas as técnicas e conhecimentos adquiridos durante o curso bem como vivenciar e gerir o trabalho contínuo e duro de um levantamento hidrográfico”, concluíram.

fonte