Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Açores vão ter mais 150 mil Km2 de Áreas Marinhas Protegidas

O Governo Regional dos Açores, a Fundação Oceano Azul e a Fundação Waitt assinaram um Memorando de Entendimento para desenvolver e implementar o Programa «Blue Azores» no prazo de 36 meses. Com este acordo, entre outros objectivos, pretendem-se acrescentar 150 mil Km2 de novas Áreas Marinhas Protegidas (AMP) aos Açores, correspondentes a 15% da sua Zona Económica Excusiva (ZEE).

De acordo com os promotores da iniciativa, o acordo visa também “desenvolver e implementar planos de gestão para todas as novas reservas marinhas e áreas protegidas existentes”, “identificar novas áreas de interesse para a conservação, apoiando processos científicos e compilando informação existente”, “promover a co-gestão com os pescadores locais, com vista a aumentar a sustentabilidade das pescas, valorizar o pescado e sensibilizar a comunidade piscatória para a conservação do oceano”, “desenvolver actividades de literacia do oceano para a comunidade de professores do Ensino Básico, alunos e para comunidade piscatória”, “promover o conhecimento sobre o oceano em toda a sociedade através de campanhas para o público em geral”, “desenvolver exemplos de conservação e valorização do capital natural azul” e “encorajar o desenvolvimento de uma economia azul robusta e sustentável”.

“Para o arranque deste programa, foram realizadas previamente duas expedições científicas no mar dos Açores”, referem os promotores. Uma, pela Fundação Waitt, em 2016, que “permitiu avaliar o estado dos ecossistemas do grupo oriental”. A outra, a expedição Oceano Azul, “permitiu ter uma visão global sobre os ecossistemas costeiros, de mar aberto e de profundidade na área central e ocidental do arquipélago”.

O relatório científico sobre o estado dos ecossistemas marinhos avaliados nestas expedições, juntamente com outros estudos científicos em curso, “constituirão uma base científica para apoiar o processo de definição e delimitação das novas Áreas Marinhas Protegidas”, referem os promotores.

A propósito deste acordo, o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, admitiu que tem uma dimensão geracional, porque é um “trabalho que não se esgota no horizonte temporal definido neste Memorando, o qual deve ser visto, não como um ponto de chegada, mas, sim, como mais um passo no objectivo maior de preservar o Mar dos Açores para as gerações seguintes”.

Recorde-se que actualmente, cerca de 5% do território marítimo dos Açores está protegido, “embora muitas das APMs existentes ainda não tenham regulamentação para a pesca ou outras actividades com impactos (57% das AMPs em águas territoriais e 77% das AMPs além das águas territoriais)”, conforme referem os promotores do «Blue Azores».

fonte