Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Governo define normas para venda de peixe nas comunidades dependentes do Guadiana

O Governo estabeleceu as normas de primeira venda de pescado fresco fora de lotas para as comunidades dependentes do Rio Guadiana, esclarecendo que a venda não pode ultrapassar 30 quilos diários por comprador.

"A presente portaria estabelece as normas que regulam a autorização de primeira venda de pescado fresco fora das lotas para as comunidades piscatórias dependentes do Rio Guadiana. [Esta] aplica-se às vendas efetuadas localmente nos concelhos de Castro Marim, Alcoutim, [ambos em Faro] e Mértola [Beja] pelos armadores e titulares de licença de pesca profissional para operar exclusivamente no Guadiana", lê-se num diploma publicado dia 28 em Diário da República.

Desta forma, os armadores com licença de pesca profissional podem ser autorizados pela Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) a "efetuar a venda do pescado capturado, diretamente ao consumidor final, a estabelecimentos comerciais retalhistas que abasteçam o consumidor final ou estabelecimentos licenciados para laboração de produtos de pesca".

A venda destes produtos de pesca não pode exceder os 30 quilos diários por comprador.

O pedido deverá ser efetuado por via eletrónica, acompanhado por certidões comprovativas de que o requerente está inscrito na segurança social e na autoridade tributária pata o exercício de pesca.

"O pedido a que se refere deve ser acompanhado de justificação que fundamente as dificuldades na deslocação à lota ou ao posto de vendagem para primeira venda, confirmada pela autoridade marítima respetiva, bem como de informação relativa ao porto habitual de descarga e ao período em que a mesmo é efetuada", esclareceu o Governo.

As autorizações têm a validade de um ano civil, podendo ser renovadas a pedido dos interessados, apresentando até 31 de agosto, conjuntamente com a cópia da última declaração de IRS ou IRC.

Os titulares das autorizações ficam obrigados, entre outros pontos, a garantir as condições de higiene e salubridade dos pescados, a sujeitar as embarcações a inspeção, a pesar e declarar todo o pescado, bem como a efetuar, até ao dia 15 do mês seguinte, o pagamento dos montantes referentes ao descontos das contribuições para a Segurança Social, do IVA e da taxa de registo, que não pode ser superior a 50% da que é cobrada ao produtor na venda em lota.

Por sua vez, os compradores devem estar registados na Docapesca, com exceção dos que adquiram pescado apenas para consumo privado.

A portaria, assinada pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, entrou em vigor esta terça-feira.

 

LUSA