Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Pescadores de Peniche e SPEA juntos no MedAves Pesca

Concluída a fase preparatória, vai arrancar o projecto MedAves Pesca, promovido pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), “que pretende trabalhar com pescadores de Peniche para juntos desenvolverem formas de reduzir o número de aves que morrem devido às capturas acidentais nas artes de pesca”, conforme informou a sociedade.

Trata-se de um projecto que vigora formalmente desde 1 de Julho de 2018 e estará concluído em 30 de Junho de 2020. Com um custo de cerca de 260 mil euros, conta com comparticipação comunitária no valor aproximado de 195 mil euros e nacional de pouco mais de 65 mil euros. Tem co-financiamento do MAR 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP).

De acordo com o comunicado, a SPEA, que há 10 anos analisa a morte acidental de aves marinhas devido a artes de pesca, quer agora “desenvolver e testar medidas para a redução das capturas acidentais de aves marinhas na Zona de Protecção Especial (ZPE) das Ilhas Berlengas”, que é “muito importante para espécies tão emblemáticas como a cagarra e a ameaçada pardela-balear”, refere a sociedade.

“Em estreita colaboração com a comunidade piscatória de Peniche, serão testados dispositivos a bordo de pequenas embarcações comerciais”, esclarece a SPEA. “No caso das redes de emalhar, serão testadas luzes sinalizadoras”, que são “lâmpadas led, protegidas por um invólucro em borracha que irão tornar a rede mais visível às aves dentro de água, fazendo com que estas as consigam detectar melhor e assim não se aproximem da arte e não fiquem presas”, refere a SPEA.

“No aparelho de anzol, vão ser testados dispostivos afugentadores em forma de ave de rapina, cujo objectivo é impedir que as aves mergulhem ao isco e que possam ficar presas nos anzóis”, nota a SPEA. São “medidas inovadoras, desenvolvidas com o apoio de especialistas e com base em estudos sensoriais com aves em cativeiro, e nunca antes experimentadas em Portugal”, considera a sociedade.

Segundo Ana Almeida, Técnica de Conservação Marinha da SPEA, “é fundamental que estes dispositivos não prejudiquem o decorrer da operação da pesca nem a quantidade de peixe capturado e por isso será também realizada uma avaliação do impacto económico”. A sociedade refere também que o projecto MedAves Pesca “inclui ainda uma avaliação das áreas mais vulneráveis às capturas acidentais na Rede Natura no meio marinho em Portugal Continental”.

Para a SPEA, “este é um problema de conservação a nível global que provoca, apenas em águas europeias, a morte de cerca de 200 mil aves por ano”. As capturas acidentais de aves marinhas nas artes de pesca “também acarretam impactos negativos para os pescadores, consumindo bastante tempo extra à tripulação e danificando artes de pesca”, pelo que é “fundamental estabelecer parcerias entre o sector da pesca e a comunidade científica, para encontrar soluções conjuntas”, considera a sociedade.

“Estudos pioneiros em Portugal identificaram que as redes de emalhar, palangres e redes de cerco são as artes de pesca com maior impacto nas populações de aves marinhas”, refere a SPEA, acrescentando que “apesar dos recentes avanços, há ainda grandes lacunas de conhecimento sobre este tema no nosso território, o que impede uma avaliação realista do verdadeiro impacto desta ameaça”. Uma lacuna que este projecto procura colmatar.

fonte