Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PE e Conselho chegaram a acordo sobre redução de lixo marinho

O Parlamento Europeu e o Conselho Europeu chegaram a acordo sobre medidas propostas pela Comissão Europeia para reduzir o lixo marinho. Este acordo, que tem como objectivo principal alcançar 10 produtos de plástico mais frequentemente encontrados nas praias, apesar de conseguido, necessita ainda de ser formalmente ratificado pelos Estados-membros e pelo Parlamento Europeu (PE), o que se prevê concluído até à Primavera de 2019.

Deste modo, há categorias de plástico (que representam 70% dos detritos do oceano) que desaparecerão, enquanto outros, de utilização única (nomeadamente caixas de hambúrgueres, saladas, ou recipientes de legumes), deverão ser reduzidos em 25% até 2025.

Note-se que esta proposta é semelhante à directiva de 2015 relativa aos sacos de plástico, que foi bem-sucedida. Pelo que a nova medida deverá trazer não só benefícios ambientais, como económicos, que custariam o equivalente a 22 milhões de euros até 2030, ou através da prevenção das emissões de gases de efeito de estufa que teria um custo equivalente a 3,4 milhões de toneladas, o que se prevê que poupe aos consumidores 6,5 mil milhões de euros.

fonte