Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

POSSIBILIDADES DE PESCA PARA PORTUGAL SOBEM 24% EM 2019

Portugal obteve, no «Conselho AGRI/PESCAS de 17 e 18 de dezembro, possibilidades de pesca para 2019 que atingem globalmente um valor recorde de 131 mil toneladas, a que corresponde um aumento de mais 24% face a 2018, um nível que ultrapassa mesmo o valor de 2017, quando esse valor global já havia subido ao patamar das 119 mil tons.

Neste Conselho foi, mais uma vez, reconhecida a melhoria da situação global dos recursos pesqueiros que evoluem nas águas da UE em geral e nas nossas águas em particular, que permitiram os resultados agora obtidos e que constituem a contrapartida pelos sacrifícios que foram sendo sucessivamente feitos pelos profissionais da pesca.

Em termos de espécies podemos destacar o Bacalhau, com a frota portuguesa a poder beneficiar de um aumento de 953 tons, o que representa um acréscimo de 12%, para o conjunto das três quotas de pesca desta espécie, sendo de destacar o aumento de 57% no bacalhau a pescar em águas da área 3M da NAFO, o que vem permitir compensar as ligeiras reduções nas outras quotas de pesca desta espécie.

Há também que destacar os aumentos de outros stocks. O aumento de 69% da quota de pesca do Carapau, a espécie mais abundante que evolui nas nossas águas e cujo consumo deve continuar a ser promovido. O aumento do sempre valorizado Atum rabilho em 11% e o reforço das quotas do Lagostim e do Tamboril em 5%, todas elas quotas de espécies com elevado preço médio de primeira venda, assim como a quota do Areeiro, que foi aumentada em 35%, e a das Raias em 10%. Na Pescada conseguimos um roll-over (manutenção da quota de 2018), melhorando substancialmente a proposta inicial da Comissão que propunha uma redução de 14%, permitindo ainda assim atingir o Rendimento Máximo Sustentável (MSY) em 2020.

Em contrapartida são reduzidas as quotas de pesca relativas à Sarda e Verdinho, na sequência das recentes negociações da UE com países terceiros com quem são partilhados esses stocks, como a Noruega, Islândia e Ilhas Faroé.

Em termos de valorização das quotas de pesca agora atribuídas a Portugal para 2019, utilizando os preços médios de primeira venda registados no ano em curso, este aumento das quotas de pesca nacionais obtido neste Conselho representa um aumento potencial de cerca de 35 milhões de Euros face a 2018, permitindo atingir um valor global de cerca de 220 milhões de Euros em primeira venda.