Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Charles Moore foi à FCT- Nova apresentar as ilhas de plástico que descobriu no Pacífico

O Comandante Charles Moore, o primeiro a descobrir as ilhas de plástico do Pacífico, veio a Portugal falar sobre a crise de plástico que enfrentam os oceanos, e porque lhe marcaram duas semanas no país, aproveitou para ir inclusivamente à FCT -Universidade Nova de Lisboa contar a sua descoberta e explanar a alarmante situação – a qual precisa de cooperação para ser resolvida.

Entre emoções, o comandante contou como foi descobrir a grande massa de lixo oceânico, bem como a importância do trabalho que tem vindo a desenvolver desde então, através da organização que criou – Algalita – para consciencializar jovens sobre o problema enraizado em toda a população, que é o uso frenético de plástico, que, na sua opinião, tem de ser detido.

Já foi em 1997 que Charles Moore trouxe para debate público o problema do plástico nos oceanos, quando a ilha ainda não era o que é hoje, nem tinha 1,6 milhões de quilómetros quadrados (17 vezes o tamanho de Portugal).

Por isso, nas últimas duas décadas, tem estudado e monitorizado a acumulação de plásticos no mar, pelo que, para ele, a esperança de conseguir limpar todo o oceano não passa de uma utopia que é perigosa pois, na sua opinião, enquanto limpamos, estamos a colocar no oceano, ao mesmo tempo e na mesma quantidade, o plástico retirado. No entanto, tem uma solução, que passa por redesenhar o modo de viver, parando o uso do plástico.

fonte