Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Qualidade do ar é a principal prioridade dos portos

A qualidade do ar é a principal prioridade dos portos, segundo consta do relatório ambiental da Organização dos Portos Marítimos Europeus (ESPO, na sigla inglesa), apesentado recentemente em Valência. O documento identifica também, por esta ordem, o consumo energético, o ruído, a relação dos portos com as comunidades locais, os resíduos dos navios, o desenvolvimento portuário, as alterações climáticas, a qualidade da água, as dragagens e os resíduos em porto como os outros factores do TOP 10 das prioridades ambientais dos portos.

De acordo com a ESPO, as alterações climáticas têm vindo a adquirir importância para os portos. Em 2017 entraram no TOP 10 das prioridades ambientais portuárias e este ano ocuparam a sétima posição (em 10) na classificação de importância. E lembra que quase oito em cada dez portos consideram as alterações climáticas nos seus projectos de infra-estruturas.

Diz também a ESPO que 59% dos portos (de um total de 90 portos da União Europeia abrangido pelo relatório) reforçam a resiliência climática das infra-estruturas existentes e 41% deles já enfrentaram desafios operacionais devido às mudanças climáticas. Refere igualmente que 73% dos portos estão ambientalmente certificados (ISO, EMAS, PERS), mas 13% do que em 2013, e que 68% tornam públicos os seus relatórios ambientais.

No plano do abastecimento, o relatório refere que 24% dos portos fornece energia eléctrica de alta-voltagem em porto aos navios ancorados, que 30% têm pontos de abastecimento para gás natural liquefeito (GNL) e que 24% já estão a desenvolver projectos de infra-estruturas a GNL.

A ESPO nota igualmente que existem cada vez mais investimentos dos portos em infra-estruturas para combustíveis alternativos e consideram que seriam acelerados se os obstáculos actuais fossem levantados. E cita o exemplo do fornecimento de electricidade em porto aos navios, que poderia ser maior se as taxas sobre energia eléctrica fossem menores.

fonte