Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

INQUÉRITO AO NAUFRÁGIO DO «VENEZA» | NOVEMBRO 2017

Sucessão de erros faz quatro mortos no mar na Figueira da Foz

Uma manobra errada na recolha da rede de pesca, o não fecho de várias portas do barco - prejudicando a estanquidade - e alterações não aprovadas que tiraram a estabilidade do arrastão, foram as causas do naufrágio do ‘Veneza’ na madrugada de 29 de novembro de 2017. O acidente, a 20 km ao largo da Figueira da Foz, provocou quatro mortos. O corpo de um deles, o mestre Orlando Fonseca, ainda não foi encontrado.

As conclusões são do Gabinete de Investigação de Acidentes Marítimos. No relatório, a que o CM teve acesso, são descritas as manobras de arrasto até ao alerta automático de naufrágio às 04h15. "O afundamento foi repentino pois a tripulação não teve tempo de envergar os coletes e nem de pedir socorro", descreve. Um dos quatro tripulantes estava embarcado apenas como observador.

Na faina perdeu uma porta de arrasto e estava a alar a rede com a grua a estibordo (direita) quando o normal seria na popa (atrás). O peso da rede e o mar a bater a bombordo terão feito com que o arrastão adornasse e a água entrasse por estibordo. Rapidamente foi inundado devido ao facto de as portas da casa do leme, acesso ao porão e interior da embarcação estarem abertas. É referido um cabo preso na hélice e veio "durante a descida da embarcação até ao fundo ou durante a manobra de recolha".

Os investigadores alertam que uma vistoria da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos "constatou que a embarcação não cumpria com os critérios de estabilidade, pois adormecia a um dos bordos [o que terá contribuído para o acidente], pelo que deveria efetuar as modificações necessárias e solicitar nova vistoria".

Mas antes de o processo estar concluído foi "emitido o certificado de navegabilidade (...) pela Capitania do Porto da Nazaré". Tal leva os investigadores a recomendar que aquando "da emissão de certificados de navegabilidade, seja confirmada a não existência de processos de modificação em curso" e que quando se tratem de situações que "coloquem em causa a navegabilidade" seja recolhido o certificado de navegabilidade.

PORMENORES

Não foi abalroada
"A embarcação Veneza não colidiu com outra embarcação ou navio e não embateu em nenhum objeto", diz o relatório.

Sem coletes salva-vidas
"Os 3 tripulantes recolhidos da água já cadáveres não se encontravam no interior da embarcação e não envergavam coletes salva-vidas", afirma.

fonte