Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

LÍGIA CORREIA:

Navios de cruzeiro maiores exigem ampliação da Pontinha

O prolongamento do molhe da Pontinha insere-se no projeto estratégico para o mercado de cruzeiros.

Não é por acaso que a Madeira foi a primeira região do país a definir, em 2005, um porto turístico, no Funchal, e um porto de mercadorias, no Caniçal, assumindo a diferença destes nichos de mercados com total separação da área de intervenção.

 

Desde sempre foi dada importância ao mercado de cruzeiros, potenciando o Porto do Funchal como porto âncora da rota Madeira-Canárias, embora não descurando a sua história como porto tradicional da rota do Atlântico, a receber navios há muitos anos, quer integrados no itinerário, quer como ponto de passagem para outras paragens, nestas os designados transatlânticos.

Ampliar a Pontinha é urgente por dois motivos: pelo negócio e pela proteção da cidade.

Comecemos pelo negócio.

Como receita para a APRAM são pouco mais de três milhões de euros, mas o impacto na economia regional é muito superior.

Contas feitas e de acordo com os últimos estudos, conclui-se que são injetados anualmente na economia, resultado dos gastos de passageiros e tripulantes, cerca de 55 milhões de euros. Num mercado pequeno, como é o da região, praticamente sem economias de escala, esta receita fala por si.

Mas, a indústria hoje está a mudar!

A aposta das companhias em navios cada vez maiores, faz com que as autoridades portuárias tenham que adaptar as infraestruturas à nova realidade. Só para termos uma ideia, os navios que já saíram ou estão a sair do estaleiro este ano têm quase todos mais de 300 metros de comprimento. O novíssimo “Symphony of the Seas” é o maior, tem 362 metros de comprimento e capacidade para mais de 6 000 passageiros.

Os operadores pretendem cada vez mais oferecer navios com maior capacidade de alojamento, com muitas facilidades e segurança, aliando diversão e atendimento. E, ainda, com outra preocupação não menos importante - dispor de navios cada vez menos poluentes.

A opção do LNG está a crescer e a Madeira já oferece este tipo de abastecimento.

Agora, temos de nos preparar para receber os grandes navios, em alinhamento com os restantes portos da rota, e não ficarmos apenas com os navios mais pequenos que, naturalmente, vão continuar a existir. E para isso, condição fundamental, é ter cais onde estes navios possam operar.

O prolongamento da Pontinha vai dotar o cais 8, de condições de acostagem para navios de cruzeiros em qualquer época do ano. Cabe aqui relembrar que normalmente a reserva de cais para os navios de cruzeiros verifica-se com um ano e meio a dois de distância!

E sobretudo, é fundamental na proteção da nossa cidade!Por Lígia Correia – Presidente do CA da APRAM

O prolongamento do molhe da Pontinha insere-se no projeto estratégico para o mercado de cruzeiros.

Não é por acaso que a Madeira foi a primeira região do país a definir em 2005, um porto turístico, no Funchal, e um porto de mercadorias, no Caniçal, assumindo a diferença destes nichos de mercados com total separação da área de intervenção.

Desde sempre foi dada importância ao mercado de cruzeiros, potenciando o Porto do Funchal como porto âncora da rota Madeira-Canárias, embora não descurando a sua história como porto tradicional da rota do Atlântico, a receber navios há muitos anos, quer integrados no itinerário, quer como ponto de passagem para outras paragens, nestas os designados transatlânticos.

Ampliar a Pontinha é urgente por dois motivos: pelo negócio e pela proteção da cidade.

Comecemos pelo negócio.

Como receita para a APRAM são pouco mais de três milhões de euros, mas o impacto na economia regional é muito superior.

Contas feitas e de acordo com os últimos estudos, conclui-se que são injetados anualmente na economia, resultado dos gastos de passageiros e tripulantes, cerca de 55 milhões de euros. Num mercado pequeno, como é o da região, praticamente sem economias de escala, esta receita fala por si.

Mas, a indústria hoje está a mudar!

A aposta das companhias em navios cada vez maiores, faz com que as autoridades portuárias tenham que adaptar as infraestruturas à nova realidade. Só para termos uma ideia, os navios que já saíram ou estão a sair do estaleiro este ano têm quase todos mais de 300 metros de comprimento. O novíssimo “Symphony of the Seas” é o maior, tem 362 metros de comprimento e capacidade para mais de 6 000 passageiros.

Os operadores pretendem cada vez mais oferecer navios com maior capacidade de alojamento, com muitas facilidades e segurança, aliando diversão e atendimento. E, ainda, com outra preocupação não menos importante - dispor de navios cada vez menos poluentes.

A opção do LNG está a crescer e a Madeira já oferece este tipo de abastecimento.

Agora, temos de nos preparar para receber os grandes navios, em alinhamento com os restantes portos da rota, e não ficarmos apenas com os navios mais pequenos que, naturalmente, vão continuar a existir. E para isso, condição fundamental, é ter cais onde estes navios possam operar.

O prolongamento da Pontinha vai dotar o cais 8, de condições de acostagem para navios de cruzeiros em qualquer época do ano. Cabe aqui relembrar que normalmente a reserva de cais para os navios de cruzeiros verifica-se com um ano e meio a dois de distância!

E sobretudo, é fundamental na proteção da nossa cidade!