Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

FAO

201 milhões de toneladas de peixe em 2030

A produção global de pescado vai continuar a crescer na próxima década, mesmo com a estabilização da pesca no estado selvagem e o abrandamento da produção em aquicultura, atingindo as 201 milhões de toneladas em 2030 (+18% do que actualmente), revela um relatório da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO na sigla em inglês).

Esse crescimento, no entendimento da FAO segundo a qual a pesca é fundamental para alcançar o objectivo de um mundo sem fome e má nutrição, requer, todavia, um progresso na gestão das pescarias, redução das perdas e desperdícios, resolução de problemas relacionados com a pesca ilegal, diminuição da poluição dos meios aquáticos e atençãoàs alterações climáticas.

Para comprovar a importância do sector, a FAO revela alguns números. Em 2016, refere, foram capturadas 90,9 milhões de toneladas de pescado e foram produzidas 80 milhões de toneladas em aquicultura (equivalentes a 53% de todo o pescado consumido como alimento pelos seres humanos).

Outro dado fornecido pela FAO é o de que 59,9% das principais espécies comerciais monitorizadas pela organização são hoje pescadas a níveis biologicamente sustentáveis e 33,1% são-no a níveis não sustentáveis, o que é considerado preocupante. Os 7% remanescentes são sub-pescados. Mas há cerca de 40 anos, 90% das espécies que a FAO monitorizava eram pescadas em níveis sustentáveis, contra 10% que eram pescadas a níveis não sustentáveis.

fonte