Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística

Notícias

Embaixador dos EUA acredita que GNL em Sines pode tornar Portugal «na Singapura da Europa Ocidental»

Muito se tem falado sobre a capacidade geoestratégica que o Porto de Sines terá para desempenhar o papel de porta de entrada do gás natural no continente europeu, numa altura em que esta alternativa energética ganha cada vez mais relevo a nível global – em entrevista à Lusa, George Glass, embaixador dos EUA em Portugal, considera que Sines pode transformar Portugal na «Singapura da Europa Ocidental», ao receber o GNL americano, assegurando a independência energética do continente face à Rússia.

«Portugal tem a oportunidade de ser a Singapura da Europa Ocidental, de ser o ponto de entrada para esse produto», começou por afirmar Glass. No final do presente mês, Lisboa acolherá «uma cimeira de gás entre Portugal, Espanha e França» que visará a criação do mercado europeu de gás natural, com a ligação das redes ibéricas ao resto da Europa, explicou, aos microfones da Lusa. A solução prevê uma ligação via Pirenéus e permitirá abastecer a Europa através de Sines e da Argélia – uma alternativa ao gás proveniente da Rússia.

De acordo com a explicação de Glass, o produto «poderá ser bombeado para qualquer ponto da Europa» uma vez garantidas as «interconexões do gás» – um sistema de abastecimento que se afigura, assim, como uma alternativa viável à dependência europeia do gás natural russo. Se conectado às redes europeias, o Porto de Sines será, sem dúvida, a infra-estrutura melhor posicionada para receber o GNL dos EUA. «Os Estados Unidos passaram de ser o maior importador para o maior exportador de gás natural», recordou o embaixador.

Sines é já um pólo importante relativamente ao comércio de GNL, já que um terço das importações de GNL na Europa passam pela infra-estrutura, mas o futuro poderá ser ainda mais risonho para o porto alentejano e o seu papel ainda mais preponderante neste contexto – ainda assim, lembra Glass, «é necessário atravessar os Pirenéus» para que tal se concretize, mostrando-se, no entanto, «entusiasmado» com o potencial de Sines.

fonte

entrevista para ler na íntegra aqui