Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Nova política tarifária no Douro em vigor a 1 de Agosto

A partir de 1 de Agosto entra em vigor a nova política tarifária da Via Navegável do Douro, assente no princípio do utilizador-pagador, informou a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL). Terá uma “aplicação gradual, ao longo dos próximos quatro anos”, período durante o qual será avaliada anualmente, “com o objectivo de a tornar o mais equilibrada possível”, refere a APDL.

De acordo com a APDL, “para além da Tarifa de Eclusagem, já existente, a Nova Política Tarifária passará a incluir também duas novas tarifas: a Tarifa de Utilização da Via (TUV), cujo valor para as embarcações marítimo-turísticas é de 9,13 euros por unidade de tonelagem bruta de arqueação por ano e para as embarcações de recreio varia entre os 60 e os 300 euros por ano, dependendo da dimensão da embarcação; e a Tarifa de Acostagem, cujo valor por cada período de 2 horas varia consoante a linha e o tempo de acostagem, podendo ir dos 0,05 euros aos 0,31 euros por metro de comprimento da embarcação”, que acrescenta ainda que a “TUV entrará em vigor a 1 de Janeiro 2019”.

Segundo a informação prestada, ficam isentas do pagamento destas tarifas “os navios da Marinha de Guerra e de armadas estrangeiras em visita oficial; as embarcações de serviço da Capitania do Douro; os navios-hospitais; e ainda todos aqueles que circulem para desembarque de náufragos, feridos”.

Diz a APDL que tem mantido “reuniões regulares com a Associação das Atividades Marítimo-Turísticas do Douro (AAMTD) e com os operadores da Via Navegável do Douro, de modo a acompanhar de perto o processo de adaptação de todos os envolvidos na Nova Política Tarifária”, sublinhando que o diálogo regular será mantido e que serão reforçados “os procedimentos de monitorização até à consolidação do processo”.

A criação de novas tarifas além da tarifa de eclusagem, que já existe, é justificada pela APDL com o crescimento exponencial da actividade turística na Via Navegável do Douro, do qual resultam “evidentes no desgaste das infra-estruturas, que exigem manutenção recorrente”, e com o facto de até aqui terem cabido à APDL a generalidade das despesas de exploração (manutenção e assinalamento do canal de navegação, gestão do tráfego fluvial ou acostagem e estacionamento de embarcações), “sem o pagamento de qualquer contraprestação por parte dos utilizadores”.

Por outro lado, argumenta a APDL, esta entidade tem “desenvolvido grandes investimentos na melhoria das condições de navegabilidade da Via Navegável do Douro, nomeadamente no que diz respeito à melhoria dos sistemas de comunicação e informação e à correcção dos constrangimentos no canal e nas eclusas, o que tem contribuído para a criação de uma alternativa de transporte sustentável com a qualidade e segurança exigidas a nível europeu”.

A introdução do princípio do utilizador-pagador visa assim obter “um equilíbrio económico da exploração”, repartindo “equitativamente o esforço exigível aos diferentes utilizadores da Via Navegável do Douro, de modo a que seja possível fazer face aos gastos de exploração que se registam, explica a APDL”.

fonte