Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Fernando Barriga defende que devemos estudar melhor os fundos marinhos açorianos

O geólogo considera que o fundo do mar dos Açores pode ter potencial mineral, mas para o conhecer importa fazer estudos aprofundados, quer para minimizar o impacto ambiental, quer para avaliar o interesse económico na sua exploração. Já há interessados na prospecção, mas o tema está suspenso.

Precisamos de estar preparados para ir buscar aos fundos marinhos “coisas que fazem muita falta à superfície”, referiu ao Correio dos Açores o geólogo e professor universitário Fernando Barriga, representante de Portugal no European Corsortium of Oceanic Research Drilling (Consórcio Europeu de Perfuração para Pesquisa Oceanográfica).

O cientista aludia à importância crescente de certos materiais, como alguns metais, na vida quotidiana e que por escassearem cada vez mais nos continentes têm que ser procurados no fundo do mar. Na entrevista, deu os exemplos dos telemóveis, dentífricos, cosméticos, aparelhos de imagiologia médica e torres eólicas, que requerem grandes volumes de minerais.

Como em simultâneo “queremos uma sociedade com energia verde, energia que não tenha uma pegada de CO2”, o cientista considera que “vamos ter uma transferência dos custos, dos materiais críticos, para os metais”. Todavia, como reconhece perigos para o ambiente, defende um estudo dos ecossistemas e a produção de tecnologias de extracção de minérios “o menos invasivas possível, que deixem uma pegada, uma interferência mínima e isso está cada vez mais na ordem do dia”.

Nesse contexto, reconhece que pela dimensão e pelas condições geológicas, o mar dos Açores é uma fonte de oportunidades nessa matéria. Referiu que “há três empresas que estão interessadas no fundo mar em Portugal”, embora nos Açores não existam planos para a sua exploração marítima. Uma grande empresa internacional já terá feito um pedido de concessão no mar dos Açores, “mas isso está, digamos, congelado”, até porque “estamos à espera de legislação adequada”.

No caso do mar dos Açores, Fernando Barriga adiantou que antes de mais importa saber se o seu fundo marinho é de facto rico. Como não sabemos o que lá existe nem se tem valor, “tem de ser feito um estudo e tem de ser feita prospecção e pesquisa”, referiu o investigador. Na sua opinião, o projecto de extensão da plataforma continental portuguesa já abordou isso, “mas de uma forma muito preliminar”, pelo que entende que são precisos “estudos muito mais aprofundados”.

fonte