Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Pesca da sardinha retomada

Até 31 de Julho, os pescadores retomam a possibilidade de pescar sardinha, até um limite de 4.855 toneladas, sujeito a restrições diárias, medidas de protecção dos juvenis e monitorização da pescaria de que aqui demos conta oportunamente.

Em declarações públicas, Humberto Jorge, presidente da Associação Nacional das Organizações de Produtores da Pesca do Cerco (Anopcerco), considerou que não escasseará sardinha durante as festas dos Santos Populares e que o preço oscilará entre 1,5 e 4 euros, conforme a ocasião. O preço poderá encarecer pontualmente, mas o valor médio não deverá ter grandes variações, admitiu o mesmo responsável.

De acordo com a TSF, que cita este responsável da Anopcerco, “o sector aceitou que esta proibição se prolongasse até ao final de Maio porque sabia que depois as possibilidades de pesca que ia ter até final de Julho seriam poucas”, pelo que o seu objectivo “foi concentrar a nossa atividade nos meses de Julho e de Julho, quando há uma grande procura de sardinha e não queríamos que faltasse sardinha nessa altura”.

Já a partir de 1 de Agosto, as possibilidades de pesca dependerão dos dados científicos recolhidos nas campanhas científicas de Portugal e Espanha realizadas na Primavera, segundo terá admitido à Lusa o Ministério do Mar.

Igualmente à Lusa, o Ministério do Mar admitiu que está afastado o cenário de pesca zero, “defendido no parecer do ICES (Conselho Internacional para a Exploração do Mar) em Outubro de 2017, e também o limite de 1.587 toneladas de possibilidades de pesca, anunciado em 2015,” e acrescentou que “o Governo reforçou os cruzeiros científicos e as acções dirigidas ao reconhecimento, articulou com Espanha e a Comissão Europeia as medidas a tomar e, no contexto da comissão de acompanhamento da pesca da sardinha, reforçou a participação dos diversos interessados na gestão desta pesca”.

fonte