Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

437 milhões de toneladas de pesca desperdiçada em 65 anos

A pesca industrial que recorre ao arrasto de profundidade terá desperdiçado 437 milhões de toneladas de pescado e 471 mil milhões de euros ao longo dos últimos 65 anos nos oceanos de todo o mundo, concluiu o estudo «Global use of marine fishing gears from 1950 to 2014: Catches and landed values by gear type and sector», realizado pelo Instituto de Pescas e Oceanos da Universidade da Columbia Britânica, do Canadá, citado pelo Maritime Executive.

De acordo com Tim Cashion, coordenador do estudo e citado pela publicação, “a pesca industrial por arrasto não traz para o porto tudo o que captura”. O investigador refere que durante o período estudado, mais de 750 milhões de toneladas de pescado foi desperdiçado em todos os oceanos do globo e 60% desse desperdício resultou do arrasto de profundidade. O estudo concluiu também que das 5,9 mil milhões de toneladas de pescado, 4,6 mil milhões (77%) foram pesca industrial, equivalentes a 2 milhões de piscinas olímpicas cheias de peixe.

O estudo concluiu que o arrasto de profundidade foi responsável por 1,6 mil milhões de toneladas (27,6%) das capturas da pesca global e que o arrasto pelágico (em profundidades desde as dezenas de metros até aos 6 mil metros) foi responsável por 550 milhões de toneladas (9%) das capturas globais. E concluiu igualmente que a pesca de pequena escala, equivalente a 1,3 mil milhões de toneladas (23%), ou 600 mil piscinas olímpicas cheias de peixe, responde por um valor de pesca desembarcada superior ao da pesca industrial, porque resulta de técnicas que geram menos desperdício (cerco, palangre, redes verticais, entre outras).

A propósito do desperdício resultante da pesca industrial por arrasto de profundidade, Tim Cashion refere que os pescadores não aproveitam parte das capturas, que não são consideradas as mais valiosas, mas que corresponderiam aos tais 471 mil milhões de euros se fossem desembarcadas. Outro investigador do estudo, Deng Palomares, sublinha a ironia do facto de esse tipo de pesca ser dispendioso e muitas vezes só ser possível com subsídios públicos, o que o torna uma prática ineficiente.

fonte