Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

«Shipping 4.0 - O Mar de Amanhã»: evento de sucesso reflectiu sobre o futuro do Transporte e da Logística

Realizou-se o evento ‘Shipping 4.0 – O Mar de Amanhã’ – nas instalações da ENIDH, os sectores marítimo-portuário e logístico portugueses reuniram-se em peso para abordar as temáticas 4.0 que, de uma forma cada vez mais intensa, moldam e transformam a compreensão global dos fenómenos que compõem o shipping. Promovido pela AGEPOR e pela J. Canao, o seminário pautou-se pelo sucesso, fomentando o debate sobre uma multiplicidade de tópicos e alumiando o trilho da digitalização e suas potencialidades.

Belmar da Costa evocou o espírito do evento: «O futuro já aqui está»

A frase marcante de António Belmar da Costa abriu a sessão e espelhou, na perfeição, o espírito da iniciativa: «Isto não será para os nossos filhos, será ainda para nós, porque o futuro já aqui está». Feitas as introduções, era hora de arrancar com as intervenções planeadas – a primeira, por Miguel Marques (partner na PwC), ligou o Mar à revolução digital, «uma mudança de paradigma» que estará «na agenda durante muitos anos» e que espelha a predominância de «tendências claras» que já fazem parte da actualidade do shipping.

Pedro Galveia debruçou-se sobre os sistemas ciber-físicos

Ao discurso de Miguel Marques seguiu-se a intervenção de Pedro Galveia (Berth & Yard Operations Expert na Yilport Sotagus), na qual os sistemas ciber-físicos ganharam relevo no contexto de um paradigma de conectividade cada vez mais global onde os desafios se atropelam, desde a «gestão e heterogeneidade» dos dados recolhidos, passando pela privacidade e pelo «controlo e segurança das comunicações», até à capacidade de armazenamento de um fluxo de informação cada vez mais múltiplo e prolixo, mas que está à nossa disposição para ser capitalizado.

«A ciber-tecnologia move-se tremendamente depressa», lembrou Mitchell Cordero

A sessão prosseguiu com a participação de Mitchell Cordero Espindola (Lloyds Register) cuja prelecção enquadrou o tema do dia nos seguintes moldes: «sempre que aconteceu uma revolução, dá-se uma destruição». Dessa destruição, explicou, nasce um novo pendor criativo capaz de, por «meios disruptivos», desenvolver novas competências e novas oportunidades de negócio. «A ciber-tecnologia move-se tremendamente depressa» e, portanto, são urgentes os esforços – conjuntos – para integrar o progresso num quadro legislativo e regulamentar, nomeadamente no que toca aos navios autónomos, um processo evolutivo que, garantiu, «a Lloyds vem estudando há mais de 5 anos».

O ‘Shipping 4.0 – O Mar de Amanhã’ teve continuidade nas intervenções de Nuno Laginha e Nuno Delgado, ambos especialistas na empresa CGI, que tem-se evidenciado no desenvolvimento de respostas às novas exigências dos serviços marítimos através de tecnologias inovadoras e da sua vasta experiência no desenvolvimento e implementação de soluções. As intervenções de ambos centraram-se no debate do impacto da ‘Internet das Coisas’ (IoT) na gestão e operação dos serviços marítimos.

José Simão apresentou o sucesso da «consolidação dos sistemas da DGRM»

José Carlos Simão, Director da DGRM, foi outra das marcantes presenças no evento – a sua intervenção elucidou a plateia sobre as graduais transformações implementadas na Administração Marítima de há um ano para cá. Para caracterizar a complexidade do estabelecimento da nova geração de sistemas na DGRM, José Carlos Simão fez uma explicação introdutória da abrangência de funções do organismo e da sua multiplicidade de stakeholders, «desde o pequeno pescador ao grande armador». Perante a «grande diversidade de sistemas aplicacionais», o processo de «consolidação parcial dos sistemas da DGRM» e a «busca de compatibilidades» tem sido um sucesso, de que são provas o SNEM e o BMAR.

Carl Johansson: «O conceito marítimo 4.0 é a próxima grande mudança de rumo»

O passar das horas não esmoreceu o entusiasmo dos presentes e a sessão prosseguiu com o brilhantismo tecnológico emprestado pela Rolls Royce e Svitzer e seus representantes no evento, Carl Johansson e Carsten Nygaard. «O conceito marítimo 4.0 é a próxima grande mudança de rumo», anunciou o primeiro, sustentado no «controlo remoto de navios e na sua automação» – uma mudança movida a «força destruidora» passível de elevar o transporte marítimo a um novo nível de eficiência, eficácia e segurança. A apresentação foi abrilhantada com o vídeo que relatou a experiência groundbreaking do teste de um rebocador autónomo da Svitzer desenvolvido pela Rolls Royce, em Junho de 2017.

José Canão e a arte da «linguagem universal» ao serviço da conexão entre stakeholders

O capítulo seguinte do evento ficou a cargo do engenheiro José Canão: relevando o papel da J. Canão no desenvolvimento das soluções digitais no contexto portuário português (pontos marcantes em 2008, com a JUP, e posteriormente com os projectos Excello e Knowledge e a FUP, em 2017) com vista «à ligação dos stakeholders à área portuária». Com a «simplicidade e a excelência» em mente e a «necessidade de estandardização» na mira, as soluções CANOW buscam providenciar uma «linguagem universal» que possibilite uma «interactividade contínua» com os utilizadores e uma «interoperabilidade» entre stakeholders: «Manuseamos, mexemos e construímos da forma que queremos», explicou.

«Para onde caminha o futuro do Shipping 4.0?», indagou Carlos Vasconcelos

carlos vasconcelos shipping 4.0O rol de intervenções ficou completo com a contribuição de Carlos Vasconcelos, que, a título pessoal, analisou os princípios da evolução do transporte marítimo, encetando o discurso com a questão: «Para onde caminha o futuro do Shipping 4.0?» – para o especialista, o progresso tecnológico deixa o sector numa «grande encruzilhada», onde as oportunidades e as ameaças se misturam num caldo do qual deve ser filtrada a essência da rentabilidade e da eficiência, mas sem esquecer a importância da componente humana, num futuro que se adivinha incerto. Afirmando que «todo o processo produtivo será totalmente automatizado», Carlos Vasconcelos espera uma «redefinição do processo logístico» devido às forças metamórficas da Big Data, da Inteligência Artificial e dos efeitos desmaterializantes que orientam a digitalização.

Debate proveitoso fez sinergia entre painel de oradores e plateia

Finalizada a sucessão de intervenções, seguiu-se uma proveitosa e profícua sessão de debate, onde os presentes tiveram a oportunidade de colocar questões aos oradores convidados, numa troca de ideias que versou sobre temas como a pertinência dos navios autónomos (e a inerente necessidade de regulamentação por parte da IMO), e o destino da força laboral humana no contexto de crescente automação e as potenciais ameaças da tecnologia de impressão 3D, caracterizadas como «as mais disruptivas de sempre», na visão de Carlos Vasconcelos.

fonte