Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

CE aprova plano de gestão da pesca da sardinha

O Plano de Gestão Plurianual da pesca de sardinha para os próximos cinco anos apresentado em Dezembro de 2017 por Portugal e de Espanha à Comissão Europeia (CE) foi aprovado “com algumas condicionantes”, como refere a Associação Nacional das Organizações dos Produtores da Pesca do Cerco (ANOPCERCO), que se congratulou com a decisão.

Face ao plano aprovado, está fixado um limite de captura de 14.600 toneladas de sardinha para 2018, repartidos entre Portugal (9.079 toneladas, ou 66,5%) e Espanha (4.891 toneladas, ou 33,5%). Metade deste total deve ser capturado até ao fim de Julho e o remanescente nos meses seguintes, “caso a biomassa tenha aumentado pelo menos 10% sobre a avaliação realizada em 2017”, esclarece a ANOPCERCO.

Segundo refere o jornal O Observador, em declarações à agência Lusa, o Ministério do Mar esclareceu que “a Comissão Europeia considerou muito razoável a abordagem de precaução do Plano apresentado, com uma quota de 7.300 toneladas até final de Julho de 2018”, divisível entre Portugal e Espanha, e que o Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES, na sigla em inglês) vai ainda avaliar a estratégia.

“O plano apresentado tem um prazo de 5 anos e visa a recuperação progressiva da biomassa de sardinha, reforçando a sua gestão sustentável e responsável no quadro da Politica Comum das Pescas (PCP), respeitando os seus princípios da sustentabilidade ecológica e económico-social, cuidadoso na forma como avalia o seu impacto nos ecossistemas marinhos, nas comunidades piscatórias, na indústria conserveira e no comércio de pescado, salvaguardando o valor cultural da pesca da sardinha e também a sua inquestionável importância em termos de gastronomia e de turismo”, refere a ANOPCERCO.

Todavia, a associação, com base em dados da Direcção-Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) no Boletim DATAPESCAS n.º 115, referentes à pesca da sardinha em Portugal nos últimos sete anos, defende que “as possibilidades de captura de sardinha em 2018 para a frota portuguesa possam chegar a uma quantidade próxima das 15.000 toneladas, semelhante à quantidade capturada nos últimos quatro anos, mas desta vez enquadrada por um cenário bastante mais positivo e animador sobre o estado do recurso sardinha nas nossas águas”.

A ANOPCERCO refere também que os dados “avaliados e sistematizados em Novembro de 2017” e dos quais resultaram os limites de captura agora fixados, deverão “ser alvo de ajustamentos positivos totalmente justificados pela significativa melhoria do estado do recurso que foi evidenciada com a recente divulgação efetuada pelo IPMA dos dados do cruzeiro de investigação JUVESAR 2017, realizado entre os dias de 7 e 19 de Dezembro”.

Reforçando a sua argumentação, a associação recorda que “é o próprio Plano de Gestão que determina a possibilidade de, em cada ano, em Junho, aquando da avaliação anual do recurso, poderem ser recalculadas as estimativas de capturas para os diversos cenários e ajustadas as possibilidades de pesca para ambos os países”.

fonte