Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

COSTA CONCORDIA | CONFISSÃO DA BAILARINA MOLDAVA DOMNICA CEMORTAN

«Quando se é a amante não pedem bilhete»

A bailarina moldava Domnica Cemortan confessou em tribunal que era amante do arguido Francesco Schettino, comandante do Costa Concordia, aquando do naufrágio ao largo da Toscânia, a 13 de janeiro de 2012, e que vitimou 32 passageiros.

A jovem, que jantou com Schettino e estava na ponte com o comandante quando o navio embateu nos rochedos durante a aproximação à Ilha de Gigglio, em Grosseto, respondeu a apenas duas perguntas dos juízes: se tinha uma relação sentimental com o agora arguido e como conseguiu embarcar sem bilhete.

VEJA O VÍDEO

Domnica tentou contornar as questões, mas acabou por confessar que era amante e que não precisou de bilhete.

«Sim, tive um relacionamento com o comandante, mas depois do naufrágio não nos vimos mais», contou ao tribunal, acrescentando que não fazia parte da lista de passageiros porque «quando se é a amante não pedem bilhete».

Schettino, que responde em tribunal pelas manobras que culminaram no naufrágio e por ter abandonado o navio antes de os passageiros estarem a salvo, é suspeito, ainda, de se ter distraído com a companhia da amante durante a aproximação à ilha. Viajavam 3.200 passageiros e mil tripulantes no Costa Concordia.

À saída do teatro de Grosseto, terça-feira, onde decorre o julgamento, a bailarina moldava disse aos jornalistas que «morreu pela segunda vez». «A primeira foi na noite do naufrágio. A segunda foi hoje, por terem descoberto o que tentei esconder durante dois anos. Trata-se da minha vida privada e eu tenho um filho, por isso quis esconder esta relação.»

Francesco Schettino enfrenta uma pena de prisão de até 20 anos por homicídio doloso múltiplo, abandono de navio e por não ter informado as autoridades imediatamente após a colisão. O comandante é o único réu no banco, uma vez que os outros cinco arguidos no processo chegaram a acordo para o cumprimentos de penas de prisão entre 18 e 34 meses.