Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

Tribunal condena cinco co-responsáveis pelo acidente do Costa Concordia

A justiça italiana condenou, este sábado, cinco pessoas co-responsáveis pelo acidente do navio de cruzeiros Costa Concordia, que provocou a morte de 32 pessoas, há um ano e meio. O julgamento do comandante Francesco Schettino só será retomado a 23 de Setembro.

Os réus fizeram um acordo para não fazerem tempo de prisão e terem sentenças moderadas, reconhecendo pelo menos em parte a sua culpa, conhecido como pattegiamento.
O capitão Schettino tentou fazer o mesmo tipo de acordo, só que o Ministério Público emitiu um parecer desfavorável. Tinha pedido uma pena de prisão de três anos e cinco meses, reconhecendo parte da culpa. Mas o tribunal poderá condená-lo a 20 anos, por homicídio múltiplo.
O director da unidade de crise da empresa Costa Cruzeiros, Roberto Ferrarini, enfrenta a maior pena — dois anos e dez meses de prisão. O chefe de cabine, Mandrico Giampedroni recebeu dois anos e seis meses, o timoneiro Jacob Rusli Bin um ano e oito meses. Outros dois oficiais da tripulação, Ciro Ambrosio e Silvia Coronica, foram condenados a um ano e 11 meses e 18 meses, respectivamente. Todos foram condenados por homicídio involutário, por terem tido responsabilidade no acidente.
O Costa Concordia, um paquete de 114,500 toneladas, naufragou junto à ilha de Giglio, ao largo da Toscânia. Tinha a bordo 4229 pessoas, 3200 delas turistas. Morreram 32 pessoas. Duas não foram ainda encontradas.
O comandante Francesco Schettino terá ordenado a aproximação do grande paquete à ilha de Giglio, na Toscânia, uma prática comum para proporcionar uma boa vista aos turistas a bordo, mas que neste caso terá ido longe demais. O navio encalhou e tombou sobre um dos lados. Seguiram-se momentos de caos, com procedimentos de emergência mal conduzidos e com o comandante a abandonar o navio antes de este ter sido totalmente evacuado.
A maior parte dos sobreviventes que não ficaram feridos ou perderam familiares aceitaram uma indemnização de 11 mil euros oferecida pela empresa proprietária do navio. A Costa Cruzeiros foi condenada ainda, em Abril, a pagar um milhão de euros, num processo de responsabimais tarde. O director da unidade de crise da empresa Costa Cruzeiros, Roberto Ferrarini, enfrenta a maior pena – dois anos e dez meses de prisão. O chefe de cabine, Mandrico Giampedroni, o timoneiro Jacob Rusli Bin e mais dois tripulantes, Ciro Ambrosio e Silvia Coronica, também se sentaram no banco dos réus e poderão cumprir penas de um ano e meio a dois anos e meio de prisão.

Todos foram condenados por homicídio, por terem tido responsabilidade no acidente, e tinham entrado com pedidos de acordo no julgamento. O comandante também sugeriu um acordo, no qual aceitaria parte da responsabilidade pelo acidente, com uma pena de prisão de três anos e cinco meses. Mas o tribunal poderá condená-lo a 20 anos, por homicídio múltiplo. O seu julgamento será retomado dia 23 de Setembro.

Na noite de 13 de Janeiro de 2012, o Costa Concordia, um paquete de 114,500 toneladas, naufragou junto à ilha de Giglio, ao largo da Toscânia. Tinha a bordo 4229 pessoas, 3200 delas turistas. Trinta e duas pessoas morreram. Duas não foram ainda encontradas.

O comandante Francesco Schettino terá ordenado a aproximação do grande paquete à ilha, uma prática comum para proporcionar uma boa vista aos turistas a bordo, mas que neste caso terá ido longe demais. O navio encalhou e tombou sobre um dos lados. Seguiram-se momentos de caos, com procedimentos de emergência mal conduzidos e com o comandante a abandonar o navio antes de este ter sido totalmente evacuado.

A maior parte dos sobreviventes que não ficaram feridos ou perderam familiares aceitaram uma indemnização de 11 mil euros oferecida pela empresa proprietária do navio. A Costa Cruzeiros foi condenada ainda, em Abril, a pagar um milhão de euros, num processo de responsabilidade civil, o que lhe permitiu evitar um processo penal.

fonte