Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Peixes aparecem mortos no Algarve

Várias dezenas de linguados, tainhas, sargos, enguias, douradas, pargos e robalos apareceram mortos, desde domingo, na foz da ribeira de Alcantarilha, em Armação de Pêra (Silves), devido à falta de oxigenação das águas. O problema, que se repete há cinco anos sobretudo no Verão, deixou uma vez mais, pescadores e autarcas desesperados por não existir solução à vista. A situação está a ser "avaliada" pela Administração da Região Hidrográfica (ARH), disse ao DN o seu vice-presidente, Paulo Cruz, após terem sido feitas, ontem, recolhas de água para análise. Os resultados deverão ser hoje conhecidos.

"Os prejuízos são incalculáveis. Além da mortandade de peixes, existe o factor humano. Isto é um crime público, pois não há limpeza no rio, que continua ao abandono, com águas contaminadas e até há crianças a tomar banho. Não há sinalização a alertar para os riscos", lamentou ao DN, o pescador Orlando Mascarenhas. "Antigamente capturávamos cem a 300 quilos de espécies por ano", lembrou. Na última década, isso desapareceu. A mulher, Tânia Oliveira, acrescentou que o problema da mortandade de peixes se verifica "três ou quatro vezes por ano" e não se tomam medidas.

O presidente da Junta de Freguesia de Armação de Pêra, Fernando Santiago, considera que a solução para a ribeira passa pelo desassoreamento, o que não acontece "há mais de 50 anos". "No Verão são os peixes a morrer, no Inverno existe o perigo de inundações, devido a um desnível de cinco centímetros", observou o autarca, apelando à ARH, no sentido de ser aberta uma ligação da ribeira ao mar para escoar as águas. A ARH admite a possibilidade caso a situação se agrave.

fonte