Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Resíduos de sardinhas em implantes ósseos e dentários

O projeto “Valor Peixe” pretende valorizar os subprodutos e águas residuais da indústria de conservas de peixe, tendo em conta que os desperdícios correspondem a mais de 50% do peixe processado. Segundo os investigadores, é possível utilizar as escamas e espinhas das sardinhas para implantes ósseos e próteses dentárias.

Atualmente, a indústria de conservas gera uma grande quantidade de subprodutos com elevada perda de nutrientes e impacto ambiental.

A Poveira, fábrica de conservas, promoveu, assim, o projeto “Valor Peixe” junto da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa e Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto de forma a “minimizar os problemas associados à indústria e explorar o valor acrescentado dos resíduos”.

Segundo Manuela Pintado, coordenadora da iniciativa, “um dos materiais obtidos das espinhas e escamas de sardinha e cavala são compostos por Hidroxiapatita, um fosfato de cálcio que é o componente principal dos ossos humanos e animais e que possui uma alta biocompatibilidade”.

No que diz respeito aos implantes ósseos, é possível utilizar o mineral para “revestimento de próteses e regeneração óssea”. Este composto é ainda usado em implantes dentários e já se encontra na composição dos dentífricos.

A nível ambiental, a Hidroxiapatita “tem elevadopotencial” no “tratamento de águas residuais, sobretudo para remoção de metais pesados” tais como chumbo, cadmio, zinco”. Para além disso, o composto pode também ser usado na área alimentar e cosmética.

O “Valor Peixe” vai “assegurar a implementação de soluções necessárias para reduzir o impacto ambiental de alguns resíduos” bem como “assegurar à empresa a possibilidade de produzir mais valor na sua cadeia de produção e demonstrar a outras indústrias um exemplo de sucesso a seguir”, conta, ao JN, Manuela Pintado.

O consumidor também pode beneficiar com o projeto pois terá a “possibilidade de encontrar produtos diversificados recorrendo a fontes naturais, com igual eficácia, valor e segurança e ainda mais sustentáveis”.

fonte

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB