Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Há cada vez mais barcos roubados em Portugal

Polícia Marítima não consegue descrever exactamente como se fazem desaparecer barcos, mas sabe onde são denunciados mais casos - Lisboa lidera as participações às autoridades.

São cada vez mais os barcos e os motores fora de borda furtados em Portugal. Em apenas três anos, o aumento foi de 45%, período em que foram levadas 83 embarcações e 289 motores.

Os números de 2012 revelam uma quase duplicação de casos face a 2010, o que tem uma explicação já identificada: são muito procurados no mercado negro da Europa de Leste e é para lá que estão a ser levados.

"Até 2008, 2009, estas embarcações e motores eram furtadas para o tráfico de clandestinos do Norte de África para a Europa", nomeadamente para Espanha, embora alguma emigração ilegal tivesse vindo também para Portugal, diz à Renascença o chefe da divisão de operações e informações da Polícia Marítima, o comandante Mendes Cabeças.

"A partir de 2009, o mercado tomou outro rumo", descreve o comandante. O tráfico faz-se por via terrestre e está actualmente nas mãos de ucranianos.

"Há cerca de dois, três anos, conseguimos desmantelar uma rede que tinha uma cabeça em Madrid, um romeno, que recebia todo este material furtado e a partir de Madrid exportava para países de Leste. Pensámos que tínhamos desmantelado esta rede. No entanto, temos novos infractores ucranianos instalados em Portugal e Espanha", precisa Mendes Cabeças.

Em causa estão embarcações relativamente pequenas, sobretudo veleiros e botes até aos seis metros de comprimento, o que se percebe dada a dificuldade do transporte e o destino que vão ter nos lagos e rios do Leste Europeu.

A Polícia Marítima não consegue descrever exactamente como se fazem desaparecer barcos, mas sabe onde são denunciados mais casos. A zona de Lisboa lidera a lista de participações de furto de embarcações, com 23% dos casos, seguida das zonas de Olhão e Tavira, ambas no Algarve.

O cenário é muito semelhante no capítulo dos motores fora de borda, com as regiões de Lisboa e Algarve a somarem metade dos furtos registados e o destino a ser, em grande parte, a Europa de Leste. Só no ano passado desapareceram 121 motores, a maioria de menor dimensão, entre os 15 e os 25 cavalos.

Ao contrário das embarcações, os motores são furtados em qualquer lugar, mesmo em casa dos proprietários. "Neste mês de Abril tenho dois exemplos - um motor que foi furtado de um alpendre de uma casa de um cidadão holandês que vive no Algarve e de outro cidadão nacional, que tem uma casa também no Algarve", conta o comandante Mendes Cabeças.

A Polícia Marítima garante que o problema está a ser acompanhado e devidamente investigado, não só em Portugal como no conjunto dos países europeus.

fonte

TEJO VIGNETTE - GALERIA DE 120 FOTOS