Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

SEGUNDO REVELA ESTUDO

Alforrecas propagam-se devido a pesca excessiva de pequenas espécies de peixe

A pesca de arrasto de espécies de peixes pequenos leva à proliferação de alforrecas, segundo uma investigação feita por biólogos marinhos agora divulgada.

Os cientistas monitorizaram os ecossistemas em duas zonas dos oceanos, separadas por 600 milhas, o que corresponde a milhares de quilómetros.

Uma das zonas foi junto à Namíbia, onde a pesca não é regulamentada, e a outra ao largo da África do Sul, onde a pesca de sardinhas ou arenques é controlada de acordo com ‘stocks’ disponíveis.

“Nos anos de 1960, das águas da Namíbia saiu uma produção de 10 milhões de toneladas de sardinhas por ano. Isto foi substituído por 12 milhões de toneladas de alforrecas”, afirmou Philippe Cury, do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento francês, em declarações à agência France Press.

Segundo o investigador, houve uma má gestão dos ‘stocks’ de sardinhas e anchovas, que foram sobre-exploradas e já quase desapareceram.

Já na África do Sul, a gestão foi muito cuidadosa e não houve qualquer surto de alforrecas ou medusas, segundo o estudo divulgado pelo jornal Bulletin of Marine Science, da Universidade de Miami.

Peritos de todo o mundo têm debatido o aumento das populações de alforrecas em muitas zonas dos oceanos, colocando a hipótese de se dever à eliminação dos peixes predadores que mantêm as medusas controladas ou ao aquecimento global.

Segundo o autor do estudo agora divulgado, a investigação aponta para que, ao eliminar o peixe pequeno, as alforrecas fiquem sem