Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

AEP e Oceano XXI reforçam cooperação e querem colocar o Mar no topo da agenda europeia

As associações Empresarial de Portugal (AEP) e Oceano XXI – Cluster para o Conhecimento e Economia do Mar renovaram o protocolo de cooperação que estabeleceram em 2011 e vão organizar, nos últimos dias de maio, o 3º Fórum do Mar, tendo como pano de fundo o mar no quadro comunitário de apoio 2014/2020.

O evento, que tem juntado ao longo dos anos agentes económicos e da comunidade científica nacional relacionados com o setor, voltará a realizar-se na Exponor, em Matosinhos, entre 29 e 31 de maio. “Desafios do mar 2020” será o tema, que terá no programa uma mostra de produtos, serviços e tecnologias marítimos, encontros de negócios e conferências sobre assuntos relacionados com o mar.

Neles participarão especialistas nacionais e estrangeiros, decisores políticos, dirigentes associativos, empresários e gestores, académicos e investigadores, responsáveis da Armada e estudiosos interessados pelas dimensões económica, científica e ambiental “desse recurso estratégico tão importante para o país que é o mar; designadamente, na área da logística, aproveitando a nova centralidade de Portugal face às evoluções recentes e previstas das grandes rotas marítimas do comércio internacional”, adiantou José António Barros, presidente da AEP, após a formalização do acordo.

“A cooperação entre as duas associações tem dado frutos e ambas estão fortemente empenhadas em colocar o mar no topo das prioridades nacionais e europeias durante o próximo quadro comunitário”. Em sua opinião, “com uma estratégia que resulte do contributo dos diferentes players que trabalham nas áreas do conhecimento e da economia, o mar constitui um ativo que pode ajudar Portugal a sair mais rapidamente da crise, gerando riqueza e criando emprego”, adiantou José Ribau Esteves, presidente da Oceano XXI.

Aproveitando a realização do 3.º Fórum do Mar, a Oceano XXI será a anfitriã de uma reunião informal dos clusters do mar da fachada atlântica europeia. O objetivo, adianta Ribau Esteves, é “articular propostas e aprofundar a colaboração” entre os sete clusters que se farão representar no encontro.

“As autoridades europeias têm o orçamento plurianual da União em cima da mesa e só teremos a ganhar em cooperar, harmonizando propostas e estratégias, no quadro da rede europeia de clusters marítimos, tendentes à valorização da fachada atlântica. Temos que trabalhar em conjunto para influenciar políticas e aumentar a nossa capacidade de lóbingue”, justificou o também presidente da Câmara Municipal de Ílhavo e da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro.

Por seu lado, a AEP vai aproveitar o evento para “despertar os participantes para os desafios” que colocará, no horizonte 2014/2020, a nova macrorregião das Regiões do Sudoeste Europeu (RESOE), que arrancou com o Norte de Portugal, Galiza e Castela Leão, mas que, por razões de escala, se deverá alargar a regiões como o Centro de Portugal, a Cantábria, as Astúrias, a Aquitânia, Poitou-Charentes, o Loire, a Bretanha, a Baixa Normandia e o Sul da Irlanda.

“Na Europa do futuro, Portugal e Espanha vão ter forte concorrência no acesso aos fundos estruturais da UE e só com uma grande macrorregião, que corresponda a quase todo o arco atlântico, o mar pode voltar a conferir ao nosso país o mesmo protagonismo de há 500 anos”, sustentou José António Barros.

Para além de conferências e workshops, o acordo firmado pelos presidentes da AEP e da Oceano XXI prevê que o Fórum do Mar 2013 volte a abranger uma feira de negócios e a organização de uma missão de compradores internacionais interessados na oferta portuguesa nesta área, como nas edições anteriores. Entre outras atividades, os promotores contam reunir, nos três dias do evento, empresas e centros de investigação e desenvolvimento que se dediquem a aquicultura; conservas; construção e reparação naval; energias marítimas; I&D em produtos, tecnologia e biotecnologia; pesca, conservação e distribuição de pescado; portos e transportes marítimos; salicultura; serviços marítimos; sustentabilidade; e turismo náutico.

O Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar foi reconhecido como estratégia de eficiência coletiva pelo Compete - Programa Operacional Fatores de Competitividade, integrando empresas, centros de I&D, associações empresariais e outras instituições, cabendo a sua gestão à associação Oceano XXI.

fonte