Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Noruega propõe selo de garantia nas embalagens de bacalhau

Para “reforçar a confiança” dos consumidores no bacalhau seco e salgado, a embaixada da Noruega em Portugal propõe aos vendedores portugueses que seja introduzido um autocolante de garantia nas embalagens para comprovar que o bacalhau não tem aditivos.

Com a indústria portuguesa do bacalhau apreensiva em relação ao uso de aditivos alimentares no peixe salgado, proposta em discussão em Bruxelas, a embaixada norueguesa veio reafirmar neste sábado que está aberta a encontrar soluções para garantir o controlo do bacalhau verde salgado que entra em Portugal.

Em causa está uma proposta para autorizar a utilização de polifosfatos, que aumentam o índice de água no peixe e ajudam a manter a cor branca e a impedir a oxidação. No caso do bacalhau verde salgado importado por Portugal à Noruega não terá aditivos, garante a embaixada.

Num comunicado, a representação diplomática reafirma que a Noruega está disponível para participar na criação de um “programa conjunto de controlo de qualidade a realizar pelas autoridades portuguesas” para assegurar que o produto importado não tem polifosfatos – uma posição que o embaixador, Ove Thorsheim, transmitira ao PÚBLICO, admitindo a possibilidade de a Noruega poder participar no financiamento de análises ao bacalhau numa unidade para esse fim em Portugal.

A embaixada contesta aquilo que diz ser uma “desinformação” produzida nos media portugueses acerca da “qualidade actual e futura” do bacalhau norueguês, alegando haver uma “‘teoria da conspiração’ segundo a qual os exportadores noruegueses estariam a defraudar a confiança dos produtores portugueses, e a violar regras de mercado, alterando a qualidade do bacalhau que lhes vendem”.

A indústria portuguesa considera que o bacalhau tradicional está em risco, temendo que o produto tenha “os dias contados”. Mas, para a Noruega, contrapõe a embaixada, não há sequer vantagens económicas ou outras “em diminuir a confiança na qualidade”.

Apresentando a “realidade dos factos”, a embaixada sublinha que o regulamento em discussão entre os 27 da União Europeia tem a ver com o bacalhau verde salgado com destino a “vários mercados europeus mas excluindo o português”. E acrescenta: “Em Portugal, mesmo que estes aditivos viessem a ser usados, isso seria claramente identificado e especificado na embalagem”.

O Governo português conseguiu que da proposta conste uma cláusula especial sobre Portugal, por causa do processo de secagem tradicional. Foi ainda obtida a garantia de monitorização da entrada de bacalhau em Portugal. “Estamos a propor ao vendedores portugueses a introdução de um autocolante nas embalagens (do qual existe um anteprojecto) que garanta que o bacalhau seco e salgado da Noruega é um produto tradicional e sem aditivos”, sublinha ainda a embaixada.

fonte

VEJA A SEGUNDA GALERIA DE FOTOS DO VI CONGRESSO DA APLOP