Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Armadores de pesca defendem redução de lotas para aumentar a concorrência

A Associação dos Armadores das Pescas Industriais (Adapi) defendeu nesta terça-feira uma concentração da oferta de pescado através da redução das lotas para um terço das que existem actualmente, o que permitiria aumentar a concorrência.

Esta foi uma das propostas apresentadas numa audição parlamentar com o grupo de trabalho para a valorização do pescado e que o secretário-geral da Adapi, António Cabral, sustenta ser essencial para obter melhores preços.

“Defendemos a concentração da oferta num menor número de lotas para que haja maior concorrência entre operadores e se consiga obter um melhor preço”, afirmou à Lusa.

Actualmente, existem mais de 60 lotas e portos de desembarque, mas o secretário-geral da Adapi sugere que devem ser reduzidos para um terço.

A redução, acrescentou, seria acompanhada pela criação de uma rede de transportes climatizados, operados pela Docapesca, para garantir o transporte do pescado dos pequenos portos até às lotas centrais.

Esta alteração seria também importante para “combater as vendas informais”. “Quando a pequena pesca está muito nas mãos de dois ou três compradores, é encorajada a vender directamente aos restaurantes, fugindo ao circuito normal”, explicou o responsável da Adapi, pedindo mais fiscalização sobre este comércio.

Outra das propostas para atacar as vendas clandestinas passa por aumentar o valor das vendas anuais necessário para ter licença de embarcação, e que, actualmente, é de 12 salários mínimos por tripulante.

A Adapi pretende ainda “maior verificação das importações das grandes superfícies”, que representam 75% da distribuição de pescado fresco.

Os armadores alertaram também os deputados para a necessidade de reduzir o nível de fiscalidade, a fim de aumentar o rendimento das famílias, “para que o mercado interno possa funcionar”.

TEJO TABLET - GALERIA FOTOGRÁFICA